01:26 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio

    Dirigente do MST acusa autoridades no confronto que deixou mortos e feridos no Paraná

    Sociedade
    URL curta
    2978
    Nos siga no

    A disputa por posse de terra provocou a morte de duas pessoas e deixou outras seis feridas na quinta-feira, 7, em uma área rural de Quedas de Iguaçu, no Paraná. Polícia Militar e integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) divergem sobre as causas do episódio.

    Segundo o MST, um grupo dos sem-terra que integram o acampamento localizado na área da madeireira Araupel foi alvejado por seguranças da empresa e policiais militares quando transitava pelo local. Já a Secretaria Estadual de Segurança Pública alega que uma equipe ambiental foi chamada a uma área de nome Fazendinha para verificar um foco de incêndio quando foi atingida por disparos realizados pelos sem-terra.

    Trabalhadores Sem Terra choram em protesto pela morte dos 19 campesinos massacrados em Eldorado dos Carajás em 1996 - foto de 17 de abril de 2001
    © AFP 2020 / MAURICIO LIMA
    O incidente deixou dois sem-terra mortos e seis feridos, três em estado grave, conforme contou à Sputnik um integrante da direção nacional do MST, Antônio Miranda.

    A PM informa que enviou equipes para socorrer as vítimas. e um helicóptero foi utilizado para remoção dos feridos. Testemunhas do MST que não querem se identificar, no entanto, dizem que os integrantes foram baleados pelas costas. O Instituto Médico Legal não se pronunciou sobre essa versão, e anunciou que divulgará um laudo em 15 dias.

    A Araupel é uma empresa de reflorestamento e beneficiamento de madeira instalada na região há quatro décadas. Em julho de 2004, a área da fazenda foi invadida por centenas de famílias de sem-terra, e desde então o clima é de tensão na região. A titularidade da área está sendo analisada pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região. Hoje, segundo o próprio MST, o acampamento dos sem-terra tem 2.500 famílias, com cerca de 7 mil pessoas.

    Antônio Miranda, do MST, nega que tenha havido confronto.

    “Quem está dizendo isso é a Polícia Militar. Houve uma emboscada da Polícia Militar junto com os jagunços da Araupel, coordenados pelo Senhor Tarso e também pelo Rossoni, que é o chefe da Casa Civil. Nós do MST desde o início viemos denunciando no Ministério Público e nos direitos humanos a truculência da Polícia Militar aqui na região.”

    O MST alega ainda que as lideranças locais estão sendo ameaçadas pessoalmente. Em relação à Justiça, o Movimento lembra que a discussão sobre a posse da terra em questão já está na primeira instância, que a reconheceu como terra pública da União, o que provocou um questionamento da empresa. Hoje, o assunto está sendo analisado na 4.ª Vara, e não existe mandado de reintegração de posse – a Araupel alega ter um.

    “A questão fundiária no Brasil tem que ser tratada com justiça social. O que as empresas fazem, os latifundiários fazem e o Estado faz? Estão tentando criminalizar a luta pela terra. Trata-se de questionar e fazer ocupação em terras que são públicas e que são as melhores do mundo e têm pinus e não produzem alimento saudável para a população brasileira”, diz Miranda.

    Tags:
    Araupel, Polícia Militar, MST, Antônio Miranda, Paraná, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar