13:24 19 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    113
    Nos siga no

    Os defensores de direitos humanos opinam que uma prova disso é o assassinato do jornalista Oles Buzina e a prisão do repórter Ruslan Kotsaba, que exigiu terminar as hostilidades em Donbass.

    A organização internacional de direitos humanos Anistia Internacional está preocupada com as perseguições sofridas na Ucrânia pela mídia que mostre posições pró-russas.

    “Na Ucrânia tornou-se muito perigoso manifestar opiniões pró-russas”, diz-se no relatório da organização sobre o estado dos direitos humanos no mundo em 2015.

    A Anistia Internacional aponta como exemplo a morte do jornalista Oles Buzina, baleado em abril de 2015, e a prisão do jornalista Ruslan Kotsaba, acusado de traição à Pátria depois de exigir suspensão das hostilidades em Donbass e apelar aos ucranianos a sabotar a mobilização.

    “Ruslan Kotsaba é a primeira pessoa na Ucrânia nos últimos cinco anos que nós chamamos de prisioneiro de consciência. Ele manifestou o seu ponto de vista e não deve ficar na prisão por causa disso”, disse na terça-feira (23) durante apresentação do relatório em Moscou o vice-diretor regional da Anistia Internacional para a Europa e Ásia Central, Denis Krivosheev.

    Os autores do relatório também sublinham que a mídia que “revele quaisquer posições pró-russas” ou simpatia para com as milícias independentistas de Donbass, sofreram perseguições na Ucrânia. Nomeadamente os defensores de direitos humanos prestam atenção ao fato de que os canais 112 Ukraina e Inter receberam  advertências por parte do Conselho Nacional de Tele e Radioemissão da Ucrânia por causa de reportagens sobre as áreas controladas pela milícias nas quais os habitantes civis manifestam apoio às milícias.

    A crise política eclodiu na Ucrânia em novembro de 2013, quando as autoridades do país anunciaram a intenção de suspender o seu processo de integração europeia. Os protestos que começaram em Kiev, apoiados pelo Ocidente, levaram a um golpe de Estado em 22 de fevereiro de 2014, forçando o então presidente Viktor Yanukovych a fugir do país.

    Dois meses depois, Kiev lançou uma operação militar contra os independentistas no Sudeste do país, que não reconheceram a nova liderança no poder central.

    Tags:
    Ucrânia, Kiev, Rússia, Oles Buzina, Anistia Internacional, liberdade de expressão, liberdade de imprensa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar