10:29 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    21123
    Nos siga no

    Os turistas do balneário Santa Teresita (província de Buenos Aires, Argentina) torturaram e eventualmente mataram um jovem golfinho.

    Os turistas do balneário Santa Teresita (província de Buenos Aires, Argentina) torturaram e eventualmente mataram um jovem golfinho, informa o jornal britânico The Daily Mail.

    Segundo o jornal, o golfinho foi encontrado na praia e logo uma multidão de espectadores começou a fazer selfie com o animal pequeno, passando-o de mãos em mãos pela praia, como um troféu. Como resultado, o animal morreu de desidratação. 

    ​Mas a história não acaba nem nisso. Após a morte do golfinho nem todos compreenderam o que aconteceu e continuaram fazendo fotos dele.

    A organização de proteção de animais Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla em inglês) na Argentina prestaram atenção ao caso e os seus representantes declararam que o animal morto pertencia à espécie de golfinhos franciscana.

    "Estes golfinhos, como todos os outros, não podem ficar em terra por muito tempo. Eles têm pele grossa, oleosa, o que permite que eles não sintam frio no mar. Isto significa que fora da água, eles vão rapidamente desidratar-se e morrer", explicou o WWF.

    Os especialistas da organização pediram qualquer um que encontre um habitante do mar na terra imediatamente o retornar ao seu meio ambiente.

    A espécie de golfinhos franciscanos é única no seu gênero e é também conhecida como golfinho-do-rio-da-prata. Pode ser encontrado nas águas costeiras ou mesmo rios do Brasil, Uruguai e Argentina.

    É uma espécie ameaçada, estima-se que no mundo restem só cerca de 30 mil representantes dela. O número destes golfinhos diminui porque vivendo perto da costa os habitantes marítimos frequentemente caem nas redes de pescadores e morrem.

    Mais:

    Uma história de amor verdadeiro
    Tags:
    defesa dos animais, animais, turismo, WWF, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar