00:33 19 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Agente de saúde analisa amostra de sangue de paciente com suspeitas de zika no Instituto Nacional de Saúde de Lima, Peru, em 2 de fevereiro de 2016
    © REUTERS / Mariana Bazo

    ‘Temos que pesquisar mais para ter certeza de que a microcefalia é ligada ao zika vírus’

    Sociedade
    URL curta
    Zika Vírus: Alerta global (77)
    311

    A Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovou testes de laboratórios do Canadá, Alemanha e Brasil para detecção do zika vírus em até 20 minutos.

    Sobre estes testes e sobre os trabalhos que a Unicamp – Universidade de Campinas vem fazendo em relação ao zika vírus, Sputnik conversou com o biólogo Marcelo Lancellotti, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas e do Instituto de Biologia daquela instituição universitária paulista.

    Lancellotti afirma que os testes de laboratório que vêm sendo desenvolvidos no Canadá, na Alemanha e no Brasil são do conhecimento dos pesquisadores da Unicamp, que também desenvolvem um teste rápido. “Mas esses testes ainda têm só o caráter de pesquisa, não são ainda comerciais ou mesmo disponibilizados à saúde pública. São testes mais específicos que irão detectar o material genético do vírus do zika.”

    Em relação às gestantes, se devem adiar os planos ou podem engravidar e seguir à risca uma orientação médica, o pesquisador da Unicamp acredita que as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) são bem claras: se possível, protelar a gestação para mais à frente. “Mas, caso ocorra o processo gestacional, as recomendações do Ministério da Saúde e da OMS são usar roupas encobrindo as partes expostas do corpo para evitar picadas ou mesmo o uso de repelentes ou estratégias que domesticamente nós utilizamos em nossa vida cotidiana.”

    Ainda sobre a questão do zika vírus – se ele é mesmo o causador da microcefalia –, Marcelo Lancellotti considera que tudo indica que o vírus possa ser um causador, “mas ainda não temos embasamento científico suficiente para afirmar com certeza cabal”.

    “Temos que pesquisar um pouco mais a respeito dos agentes de alteração do feto ou de defeitos congênitos para que consigamos informar com certeza até que ponto essa microcefalia é realmente ligada à infecção do zika vírus nessas gestantes ou não.”

    Tema:
    Zika Vírus: Alerta global (77)
    Tags:
    zika, pesquisa, Unicamp, Anvisa, OMS, Marcelo Lancelotti, Canadá, Alemanha, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar