06:42 17 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    A rainha consorte da Jordânia, Rainha Rania

    Rainha da Jordânia dá resposta a charge do Charlie Hebdo

    © flickr.com/ Adam Tinworth
    Sociedade
    URL curta
    243274402

    A rainha da Jordânia, Rania Al Abdullah, respondeu à controversa charge do Charlie Hebdo em que este pergunta “O que teria sido o pequeno Aylan Kurdi se tivesse crescido?”

    Nesta semana o jornal francês Charlie Hebdo publicou uma caricatura em que homens com aparência de macacos perseguem uma mulher. No canto de cima à esquerda é mostrada a imagem do menino sírio de três anos, Aylan Kurdi, cujo corpo foi encontrado no litoral turco perto da cidade de Bodrum. O menino afogou-se com a sua mãe e irmão mais velho na tentativa de fugir para a Europa.

    Ao lado está uma pergunta “O que teria sido o pequeno Aylan Kurdi se tivesse crescido?” A resposta vem na parte inferior: "Um apalpador de bundas na Alemanha", fazendo referência aos ataques sexuais na véspera do Ano Novo na cidade alemã de Colônia. 

    A caricatura foi amplamente condenada por várias figuras da mídia e ativistas como sendo abertamente racista e escandalosamente chocante, tomando em conta que já não é a primeira vez que o jornal abusa dos sentimentos de várias pessoas, fazendo charges sobre o profeta Maomé e Alá. 

    No entanto, a rainha Rania optou por uma abordagem diferente para expressar o seu protesto relativamente à publicação.

    Na sexta-feira (15), ela postou o seu próprio esboço no Twitter, usando a imagem do menino Aylan e representando-o como uma criança feliz que joga, como estudante e como médico. No topo estava a mesma pergunta do Charlie Hebdo “O que teria sido o pequeno Aylan Kurdi se tivesse crescido?”

    "Aylan poderia ter sido médico, professor, um pai atencioso…", escreveu a rainha jordana.

    Mais:

    Atentado ao ‘Charlie Hebdo’ completa um ano
    'Deus terrorista': Jornal do Vaticano condena nova capa do Charlie Hebdo
    Charlie Hebdo: passado um ano, nada mudou
    Tags:
    caricaturas, Charlie Hebdo, França, Jordânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik