04:10 22 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    A escalada em montanhas de gelo (ice-climbing)

    Incidente em montanha russa faz lembrar mistério ainda sem resposta

    © Foto: Fotolia/vetal1983
    Sociedade
    URL curta
    10106

    Um homem morreu no Passo Dyatlov, uma passagem no norte nos montes Urais, que provocou nova onda de teorias misteriosas sobre o incidente em 1959. O governo russo disse que iria investigar as conclusões a respeito de um corpo encontrado no Passo Dyatlov, mas também descartando as alegações de que o grupo que o viu teria perdido o contato.

    O Ministério de Emergência da Rússia negou que o grupo de caminhantes que na sexta-feira (7) avistou o corpo de um homem de cinquenta anos no misterioso Passo Dyatlov tivesse desaparecido.

    O Passo Dyatlov, na região russa de Sverdlovsk, é conhecido pelo incidente misterioso em 1959, quando nove alpinistas morreram em circunstâncias estranhas. 

    "Eles não estão perdidos. O grupo continua a rota planejada e se mantém em contato", disse uma fonte no escritório local do ministério à RIA Novosti.

    O Comitê de Investigação da Rússia disse que vai enviar um investigador para procurar o corpo, junto com a polícia e equipe de resgate na terça-feira (12).

    Também na segunda-feira, o Ministério de Emergências disse que tinha enviado uma unidade para o Passo de Dyatlov para ajudar um caminhante solitário sofrendo de queimaduras do frio.

    O chefe da Fundação em Memória de Dyatlov, Yuri Kuntsevich, disse à televisão russa que o homem desaparecido provavelmente morreu por ter ficado preso na neve depois de tirar os seus esquis.

    De acordo com Kuntsevich, os rumores de ocorrências paranormais no Passo Dyatlov levaram o alpinista morto a visitar este local sem preparação.

    O Mistério do Passo Dyatlov 

    A morte dos caminhantes liderados pelo estudante Igor Dyatlov em 1959 levou a uma imensa quantidade de especulação, desde um fenômeno paranormal a ensaios de armas secretas. O incidente despertou a curiosidade internacional.

    Os caminhantes partiram em 23 de janeiro de 1959 e deveriam voltar em 12 de fevereiro. Um dos caminhantes, Yuri Yudin, adoeceu durante a caminhada e voltou ao ponto de partida, tornando-se o único sobrevivente do incidente. Yudin morreu em 2013.

    Não tendo voltado na data prevista, as equipes de busca da universidade onde Dyatlov estudava, a polícia e os militares foram enviados em 22 de fevereiro. Quatro dias depois, um dos grupos encontrou uma tenda rasgada do interior, com bens pessoais, mas sem ninguém dentro.

    No dia seguinte, a equipe de pesquisa encontrou os dois primeiros mortos perto de um rio de 1,5 km de distância, vestidos apenas com a roupa interior. Dyatlov foi encontrado à distância de 300 metros deles, e a sua colega, Zinaida Kolmogorova, a mais de 330 metros, mas apenas com os seus sapatos removidos. O quinto caminhante foi encontrado em março. O resto do grupo só foi encontrado em maio, após a neve derreter. 

    Segundo a análise, os caminhantes morreram da hipotermia. Além disso, dois tinham costelas quebradas, e o terceiro uma fratura no crânio.

    Tenda encontrada pela equipe de resgate em 26 de fevereiro de 1959
    © Foto: Wikipedia
    Tenda encontrada pela equipe de resgate em 26 de fevereiro de 1959

    Circunstâncias pouco claras

    Dadas as circunstâncias estranhas da sua morte, o incidente foi atribuído a tudo, desde espiões a testes de uma arma secreta. Um dos caminhantes tinha na sua blusa um nível relativamente elevado de radiação, enquanto outros tinham queimaduras nas mãos e rosto, o que proporcionou terreno fértil para as mais diferentes teorias.

    Uma teoria sugeriu que os caminhantes foram mortos por espiões ocidentais, com quem deveriam se encontrar os espiões soviéticos incorporados no grupo, para entregar roupas pulverizadas com plutônio em uma operação policial.

    De acordo com uma recente investigação feita por um alpinista veterano, Yevgeny Buyanov, o grupo de Dyatlov provavelmente provocou uma pequena avalanche enquanto estabelecia a sua tenda na encosta de uma montanha. Do grupo, apenas Dyatlov tinha experiência com passeios de inverno, enquanto o resto do grupo só tinha feito caminhadas de verão.

    O grupo, então, tentou resgatar os feridos, os transportando em direção à floresta, onde eles fizeram uma fogueira. Outros retornaram para a tenda, de acordo com Buyanov. No entanto, os caminhantes com a intenção de voltar congelaram até a morte, enquanto os que ficaram na floresta queimaram suas mãos ao tentar se aquecer com uma fogueira.

    Mais:

    Americanos tomam teste do míssil por OVNI e explosão nuclear
    Fim da conspiração: Estrela da Morte revela mistérios
    Rússia é atingida por novo meteorito (Vídeo)
    Tags:
    montanhas, mistério, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik