10:17 15 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    461
    Nos siga no

    Na quinta-feira (31), o Twitter anunciou que vai reabrir o acesso a tweets deletados dos políticos, para ajudar a "trazer mais transparência ao diálogo público".

    O Twitter havia bloqueado o acesso aos tweets no site Politwoops, que coletou tweets deletados de políticos em 30 países, segundo a Agence France-Presse. O site tinha como alvo oferecer ao público um vislumbre daquilo que "os políticos esperavam que você não visse».

    Inicialmente, o Twitter teve uma divergência com o Open State Foundation, sediado na Holanda, os criadores do Politiwoops, alegando que os políticos merecem a mesma privacidade que outros usuários, incluindo o direito de mudar as suas opiniões e deletar tweets.

    O site Politwoops fez uma declaração de pop-up na altura: "Em 3 de junho de 2015, a Sunlight Foundation recebeu a notícia do Twitter de que ele pára de apoiar o Politwoops, revertendo um acordo feito em 2012 que nos permitiu executar o projeto através da sua API». Esta semana, no entanto, o Twitter anunciou ter mudado de opinião e desejar que "os altos funcionários públicos se mantenham responsáveis."

    "O Politwoops é uma importante ferramenta para os nossos responsáveis públicos, incluindo candidatos e altos funcionários públicos eleitos ou nomeados, serem responsáveis pelas declarações que fazem, e estamos satisfeitos porque fomos capazes de chegar a um acordo com o Twitter para o trazer de volta online, tanto nos EUA como internacionalmente", disse Jenn Topper da Sunlight Foundation  à AFP.

    "Nos próximos dias e semanas, nós estaremos trabalhando nos bastidores para que o Politwoops seja restabelecido e fique funcionando. Fique ligado para saber mais».

    O acordo entre o Twitter e a organização para a transparência veio depois de várias reuniões com a Fundação Sunlight e a organização dos direitos digitais Access Now.

    Mais:

    'Mini-festações' pró-impeachment viram piada no Twitter
    Twitter está fora de serviço
    Informação no Twitter leva jihadistas a executar jornalistas
    Tags:
    políticos, Internet, Twitter
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar