10:19 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    011
    Nos siga no

    O Ministério da Saúde adotou um novo protocolo para notificar casos de microcefalia no Brasil, doença que causa a má formação do crânio de bebês, durante a gestação.

    De acordo com o balanço mais atualizado do governo, já foram notificados mais de 1.700 casos suspeitos da doença em 422 municípios brasileiros, distribuídos em 13 estados e o Distrito Federal.

    O estado de Pernambuco, na região Nordeste do país, é a localidade com maior incidência da doença. Especialistas já comprovaram que a doença tem relação com o zika vírus, transmitido pelo Aedes Aegypti, mosquito causador da dengue, e da febre Chikungunya.

    De acordo com o Diretor de Vigilância de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch, o novo protocolo, adotado desde 7 de dezembro, considera como um quadro de microcefalia a circunferência do crânio dos bebês com menos de 32 cm. Essa medida é a que será usada para avaliar os próximos casos notificados da doença. “Essa diferença aparentemente pequena, de 1 centímetro, leva a um grande número de notificações de crianças que estão na curva da normalidade, porém no extremo dessa curva. Ao redefinir para 32cm, nós temos uma precisão maior, e portanto, passamos a captar com mais segurança as crianças que podem realmente ter microcefalia.”

    O documento destaca cinco fatores que devem ser monitorados pelos gestores de saúde: as gestantes com possível infecção pelo zika vírus, os fetos com alteração do sistema nervoso central, casos de aborto espontâneo, os nascidos mortos, e os recém nascidos com microcefalia.

    O Ministro da Saúde, Marcelo de Castro, afirmou em coletiva à imprensa que, apesar da crise político-econômica no Brasil,  o governo não vai poupar esforços e não faltará recursos para o combate ao mosquito Aedes Aegypti.

    No Rio de Janeiro, está semana foi lançada a Campanha “10 minutos Salvam Vidas”. De acordo com a Secretaria estadual de Saúde, a campanha pretende conscientizar a população de que com apenas 10 minutos por semana para procurar e combater possíveis focos do mosquito dentro de casa todos sairão ganhando. O governo do Rio pretende mostrar o quanto a população é fundamental no combate a essas doenças provocadas pelo mosquito.

    Mais:

    OMS e OPAS emitem alerta mundial sobre o vírus Zika
    Fiocruz cria bioinseticida para combater mosquito da dengue
    Tags:
    Brasil, Rio de Janeiro, Pernambuco, Cláudio Maierovitch, Marcelo Castro, Ministério da Saúde, zika, dengue, Chikungunya, Aedes Aegypti, saúde
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar