08:28 28 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    5111
    Nos siga no

    O problema do abuso de poder por parte dos policiais nos Estados Unidos continua, apesar das mudanças feitas após a morte há um ano de Michael Brown na cidade de Ferguson, que provocou protestos em todo o país, opinam especialistas.

    Al Sharpton, líder do Movimento para Direitos Humanos norte-americano, declarou à Sputnik:

    “Acho que o movimento que aconteceu não é suficiente. Ainda temos pessoas presas pela polícia e policiais que estiveram envolvidos em ações muito sérias e que não foram punidos. Acho que o problema está sendo resolvido e foi feito algo mas ainda estamos longe da resolução completa.”

    Em 9 de agosto de 2014, o policial de raça branca Darren Wilson matou a tiro o jovem negro de 18 anos de idade Michael Brown, na pequena cidade de Ferguson, nos arredores de St.Louis.

    Em novembro de 2014 um júri decidiu não punir Wilson pela morte de Brown, o que provocou uma onda de protestos nos Estados Unidos e lançou um debate nacional sobre a desigualdade racial e violência policial. Segundo declarou à Sputnik o advogado de família, Anthony Cinza, ele tenciona apresentar novas provas para apoiar a sua reivindicação de um processo de morte por negligência.

    É de notar que vários especialistas opinavam que a chegada de Barack Obama à Casa Branca poderia suavizar as tenções raciais que existem nos EUA ao longo de toda a história. Durante este ano o presidente Obama lançou várias iniciativas que têm como objetivo aumentar as horas em treinamento de policiais para prevenir o preconceito racial, inclusive o uso de câmeras nas fardas.

    Nos últimos meses, o Departamento de Justiça dos EUA iniciou muitos processos penais de brutalidade policial, a maioria destes contra afro-americanos de cidades de Baltimore, Ferguson e, mais recentemente, Charleston.

    Enquanto isso, Sharpton sublinhou que não está satisfeito com o que foi feito:

    “Um ano depois, ainda estamos lutando para fazer uma mudança real, significativa e permanente nas leis e nas responsabilidade. Não podemos estar satisfeitos com apenas alguns passos à frente. Sim, há coisas que aconteceram – elas são positivas, mas estão longe de ser suficiente e não são permanentes.”

    O especialista opina que o processo deve ser continuado até as leis serem alteradas e aplicadas e "até que os policiais entendam que serão responsabilizados criminalmente por tirarem as vidas de pessoas desarmadas."

    Mais:

    Negros têm maior risco de serem mortos pela Polícia
    Tags:
    desigualdade, violência policial, legislação, racismo, Michael Brown, Barack Obama, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar