00:58 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Sofá e lixo às margens da Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, Brasil. Em 1º de junho de 2015

    Após críticas internacionais, Rio lança novo plano para recuperar Baía de Guanabara

    © AP Photo/ Silvia Izquierdo
    Sociedade
    URL curta
    0 20721

    Um ano e dois dias do início dos Jogos Olímpicos de 2016, o governo do Rio de Janeiro anunciou um novo planejamento para a recuperação da Baía de Guanabara, com metas até 2025.

    O governador Luiz Fernando Pezão assinou, nesta segunda-feira, um acordo de cooperação com sete universidades e três centros de pesquisa do Rio para a realização de diagnósticos sobre as atuais condições ambientais e socioeconômicas da bacia hidrográfica e zona costeira adjacente à Baía de Guanabara.

    "Nós não podemos errar de novo. Essa parceria com as universidades vai nos auxiliar muito, principalmente a errar menos", afirmou Pezão. Embora tenha mencionado que os níveis de despoluição da Baía tenham passado de 17% para 49% nos últimos anos, o governador se esquivou de citar novas metas. "Só vou saber em quantos anos a Baía será totalmente despoluída quando todos os investimentos em obras forem concluídos", disse Pezão.

    Representante dos membros acadêmicos do acordo, o professor Rogério Valle, coordenador do Laboratório de Sistemas Avançados de Gestão de Produção (Coppe/UFRJ), afirmou que até o fim do ano será entregue ao governo um plano com um conjunto de obras a serem executadas. As universidades também ficarão responsáveis por monitorar a qualidade das águas da Baía de Guanabara e auditar os resultados obtidos pelas ações de despoluição.

    "Criou-se uma imagem de que a Baía de Guanabara está inapelavelmente condenada, arrasada, que não há mais nada a fazer. Há muitos problemas, mas ainda há vida na Baía de Guanabara", disse.

    Valle criticou indiretamente a pesquisa encomendada pela agência de notícias Associated Press (AP) sobre a poluição das águas da Baía de Guanabara, da Lagoa Rodrigo de Freitas e da Praia de Copacabana. O resultado da análise gerou repercussão e críticas internacionais na semana passada, causando preocupação em federações de diversas modalidades esportivas.

    A pesquisa divulgada no último dia 30 apontou para a presença de "níveis perigosamente altos de vírus e bactérias de esgoto humano em locais de competições" dos Jogos do Rio.

    "Há conhecimento suficiente para transformar a situação da Baía de Guanabara dentro do nosso estado. Não há necessidade de se buscar informação, tecnologia, conhecimento em outras latitudes", disse o professor.

    Mais:

    Rio 2016 vai ter centro de combate a terrorismo e mais de 85 mil agentes de segurança
    Briga pessoal pode levar o basquete russo a ficar de fora da Rio-2016
    Rio 2016 usa final da Liga Mundial de Vôlei como teste para voluntários das Olimpíadas
    Esgrima: Rússia derrota Ucrânia no sabre e se classifica para as Olimpíadas do Rio
    Tags:
    Rio 2016, poluição, água, Olimpíada, Jogos Olímpicos, Luiz Fernando Pezão, Baía de Guanabara, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik