06:01 23 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Embaixada italiana em Sanaa, no Iêmen

    EUA mataram mais de 2 milhões de pessoas no Iraque, no Afeganistão e no Paquistão

    © REUTERS/ Khaled Abdullah
    Sociedade
    URL curta
    0 2178824

    A organização internacional Physicians For Social Responsibility (Médicos para Responsabilidade Social, membro do grupo Médicos Internacionais para a Prevenção da Guerra Nuclear), que recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1985, divulgou os resultados da pesquisa com o número de vítimas fatais no Iraque, no Afeganistão e no Paquistão.

    Em 12 anos de combates com a participação norte-americana no Iraque, no Afeganistão e no Paquistão foram mortas 1.300 mil pessoas.

    No Iraque, a operação militar dos EUA matou cerca de um milhão de pessoas, o que corresponde a 5% da população civil do país, aproximadamente 220 mil foram mortos no Afeganistão e 80 mil pessoas, no Paquistão.

    A organização nota que os números não incluem vítimas das operações conjuntas com os aliados dos EUA na Síria e no Iêmen. Tendo este fato em conta, o número das vítimas pode ser ainda maior, superando dois milhões de pessoas.

    Além disso, cerca de 3 milhões de pessoas de Iraque, Afeganistão e Paquistão fugiram do país após os bombardeios do Pentágono.

    Capital do Iêmen após bombardeios
    © REUTERS/ Khaled Abdullah
    “Os números são cerca de dez vezes maiores do que os oferecidos pelas estatísticas oficiais e dos que são mencionados pela mídia e especialistas. Os EUA realizam cálculos rigorosos de baixas entre as suas tropas envolvidas na guerra contra o terrorismo, mas não há estatísticas sobre mortes de civis”, relata a pesquisa da organização.

    Os cálculos da Physicians For Social Responsibility são baseadas nos resultados de investigações próprias, estatísticas da ONU e dados dos governos e várias organizações não governamentais.

    Mais:

    Explosões são ouvidas na capital do Iêmen após retomada da ofensiva da Arábia Saudita
    Tags:
    pesquisa, vítimas, Iêmen, Oriente Médio, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik