08:17 21 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Kremlin de Moscou

    Pesquisa: a maioria da população russa considera o seu país uma potência mundial

    © Sputnik/ Anton Denisov
    Sociedade
    URL curta
    0 1041172

    Em 15 anos, a quantidade de russos que considera o seu país uma potência mundial mais que dobrou e soma 68%, segundo pesquisa realizada pelo instituto Levada-Center e publicada pelo jornal Izvestia.

    Em 1999, somente 31% dos cidadãos russos considerava o seu país uma potência mundial, enquanto a maioria (65%) discordava dessa afirmação. Este ano o resultado demonstra o oposto. A maioria considera a Rússia uma potência mundial e menos de um terço (27%) é de opinião contrária. É uma porcentagem de aprovação recorde, comparando com todos os anos em que a pesquisa foi realizada. 

    Segundo os sociólogos do Levada-Center, os russos seguem a favor da aproximação econômica, política e cultural com os países do Ocidente (60%). No entanto, esse número caiu. Em 2000, por exemplo, a porcentagem a favor da aproximação com o Ocidente era de 76%. 

    Cada um em três russos (35%) acha que o seu país passou a ser mais temido no exterior nos últimos seis meses. No entanto, 63% pensam que a Rússia está sendo ameaçada por inimigos externos e internos (contra 42% em 2007, por exemplo). Somente 23% consideram as ameaças externas e internas como forma de manipulação por parte do governo (contra 30% em 2007).

    A maioria (68%) acredita que a Rússia desempenha um papel importante na solução de problemas internacionais. Cerca de um quarto da população (24%) enxerga o papel da Rússia no exterior como pouco importante e somente 5% afirmam que a Rússia desempenha um papel secundário na arena internacional. Em 2010 e em 2011, a porcentagem daqueles que consideravam a Rússia importante era de 62% e 51%, respectivamente. 

    A pesquisa foi realizada em 46 cidades da Rússia e contou com a participação de 1,6 mil pessoas.

    Tags:
    pesquisa, Levada-Center, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik