01:59 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    2361
    Nos siga no

    O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, revelou que a OTAN ignora a questão da responsabilidade pelas consequências de sua presença de 20 anos no Afeganistão.

    A OTAN pretende redistribuir suas forças na Ásia após ter retirado suas tropas do Afeganistão e canalizar fluxos de refugiados afegãos para a região, declarou o chanceler russo, Sergei Lavrov.

    "Vemos tentativas deliberadas de 'aquecer' a situação, de minar os mecanismos existentes de interação interestatal", disse Lavrov em uma reunião dos chanceleres dos países da Conferência sobre Medidas de Interação e Construção de Confiança na Ásia.

    "Pode-se notar a vontade da Aliança Atlântica, após [retirada do] Afeganistão, de redistribuir as forças por outras zonas da região, quer na Ásia Central, Ásia do Sul ou Sudeste da Ásia, e ao mesmo tempo canalizar os fluxos de refugiados afegãos para estas regiões", afirmou.

    Referindo-se à situação afegã, o ministro destacou a importância de fazer tudo o possível para evitar que as armas e equipamentos militares deixados pelas tropas da OTAN no Afeganistão sejam usados para "fins destrutivos".

    Lavrov declarou que a Aliança Atlântica ignora a questão da responsabilidade pelas consequências de sua presença de 20 anos no Afeganistão, propondo à comunidade internacional, especialmente aos países vizinhos, que resolva os problemas.

    Mais:

    Explosão causa pelo menos 100 mortos em mesquita afegã, segundo relatos (VÍDEOS)
    Kim Jong-un condena hostilidade e práticas políticas dos EUA contra Pyongyang
    'Da mãe de todas as bombas a bombardeiros': mídia lista armas mais mortíferas da Força Aérea dos EUA
    EUA priorizaram evacuação de paramilitares acusados de crimes de guerra no Afeganistão, diz mídia
    Crise energética 'sem precedentes' na China poderia 'atravessar' economia mundial
    Tags:
    Afeganistão, OTAN, Refugiados, Sergei Lavrov, Rússia, equipamento
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar