23:35 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    5123
    Nos siga no

    Um homem-bomba e cúmplices com armas de fogo leves realizaram o ataque no aeroporto de Cabul, disse o Pentágono na sexta-feira (27).

    Houve um homem-bomba que provocou a explosão no aeroporto de Cabul, Afeganistão, em conjunto com cúmplices carregando armas de fogo leves, comunicou na sexta-feira (27) William Taylor, general norte-americano.

    "Por volta das 17h48, horário de Cabul [10h18, horário de Brasília], um dispositivo explosivo preso a um bombista suicida detonou na entrada do aeroporto ou perto do posto de controle. A localização exata não é conhecida […] A seguir houve fogo direto de uma posição inimiga", disse ele.

    Taylor também desmentiu os relatos de uma segunda explosão, que supostamente ocorreu logo após o primeiro ataque fora do Hotel Baron, perto do aeroporto.

    O ataque ao aeroporto de Cabul na quinta-feira (26), que, segundo Washington, matou 13 militares dos EUA e pelo menos 79 cidadãos do Afeganistão, foi reivindicado por militantes do Estado Islâmico-Khorasan (EI-K), um ramo do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) que atua no Afeganistão e Paquistão.

    Segurança no Afeganistão

    O Departamento de Defesa dos EUA revelou ainda que milhares de prisioneiros, incluindo membros do EI-K, foram libertados de duas prisões afegãs tomadas pelo Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países).

    "Eu não sei o número exato [de prisioneiros libertados]. Claramente, está nos milhares, quando se considera as duas prisões, porque ambas foram tomadas pelo Talibã e esvaziadas, mas não lhe poderia dar um número preciso", disse em briefing de imprensa na quinta-feira (26) John Kirby, porta-voz do Pentágono, em resposta a uma pergunta sobre quantos prisioneiros do EI-K devem ter sido libertados.

    Na sexta-feira (27), Kirby revelou que os EUA autorizaram mais três bases militares domésticas a serem usadas como alojamento temporário para até 50.000 evacuados afegãos.

    "Hoje o Departamento de Defesa pode anunciar que autorizou a Base Quantico do Corpo de Fuzileiros Navais, Virgínia, Fort Pickett, Virgínia, e a Base da Força Aérea Holloman no Novo México a fornecer apoio adicional à missão dos EUA para evacuar os requerentes de vistos especiais de imigrantes afegãos (SIV [na sigla em inglês]), suas famílias e outros indivíduos em situação de risco", disse ele em novo briefing de imprensa.

    Trata-se de um total de sete bases norte-americanas que acolherão imigrantes afegãos, depois de quatro que já foram autorizadas a fornecer este apoio.

    Sobre o conflito no Afeganistão, Washington não dá previsões dos futuros acontecimentos no país, mas não quer ver uma nova guerra civil no país e não participará dela, comentou John Kirby.

    O alto funcionário afirmou ainda que os EUA desejam o melhor ao povo afegão, mas lembrou a decisão de Joe Biden, presidente dos EUA, de que o país não se envolveria em uma guerra no Afeganistão.

    Mais:

    Ameaça de ataques no Afeganistão 'vai crescer' com retirada das tropas ocidentais, diz Reino Unido
    Talibã diz que 28 de seus membros morreram nas explosões em Cabul e promete reforçar segurança
    Chefe do Comando Central diz que EUA compartilham informações de inteligência com o Talibã
    Tags:
    Pentágono, EUA, Afeganistão, Cabul, Daesh, Estado Islâmico, Departamento de Defesa dos EUA, Departamento de Defesa dos Estados Unidos, Talibã, John Kirby, Corpo de Fuzileiros Navais, Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, Virgínia, Novo México, Joe Biden
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar