18:30 28 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    4320
    Nos siga no

    Na quinta-feira (24), o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, discursando na Conferência de Segurança de Moscou, afirmou sobre uma possível escalada, dado que o incidente com o destróier britânico foi intencional.

    O vice-chanceler russo Aleksandr Grushko disse que os parceiros ocidentais continuam aumentando o confronto com a Rússia.

    "Tal situação é explosiva. Mesmo que todos os lados mantenham a prudência, não podemos excluir incidentes não intencionais que poderiam levar a um conflito real, e ontem vimos a ilustração de um incidente, obviamente intencional, que pode ter as mais graves consequências, inclusive do ponto de vista de escalada das ações", de acordo com Grushko.

    A região do mar Negro está se tornando uma arena de confronto militar. Tais ações põem em causa o acordo Rússia-OTAN, segundo o vice-chanceler.

    "Não podemos deixar de nos preocupar com o fato de a OTAN estar consistentemente aumentando sua presença militar ao longo de nossas fronteiras, aumentando o número de patrulhas aéreas, de exercícios e entradas de navios de suas Marinhas no mar Negro, Báltico e até no mar de Barents", disse Grushko.

    "Observo a propósito que, como resultado dessa atividade, regiões militarmente bastante pacíficas - o mar Báltico e o mar Negro - estão sendo transformadas em uma arena de confronto militar absolutamente desnecessário", declarou.

    Antes no mesmo dia, a representante oficial da chancelaria russa, Maria Zakharova, informou que o ministério fará uma dura diligência junto ao embaixador do Reino Unido relativamente à situação do destróier britânico.

    Ontem (23), o Ministério da Defesa da Rússia informou sobre a violação da fronteira nacional do país pelo destróier HMS Defender da Marinha Real do Reino Unido. O navio britânico atravessou a fronteira russa e entrou três quilômetros em águas russas no mar Negro. O Ministério da Defesa do Reino Unido negou a violação da fronteira russa.

    Mais:

    Mina voa para fora de polígono militar em exercícios conjuntos dos Estados Unidos e Japão
    Bombardeiros Tu-95 e navios russos praticam ataque simulado com mísseis de cruzeiro no Pacífico
    EUA e Israel discutem criar 'zona de exclusão aérea' para drones iranianos no Oriente Médio
    China eleva capacidades de combate de caças para voarem em condições adversas, diz mídia
    Tags:
    navio, Marinha, destróier, Ministério das Relações Exteriores, Reino Unido, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar