06:18 16 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    2221
    Nos siga no

    A Rússia afirmou que ajudará Belarus caso o bloco europeu impuser sanções contra Minsk, apelando à realização de uma investigação do incidente com o voo da Ryanair.

    Moscou defenderá e ajudará Belarus se a União Europeia (UE) impuser sanções econômicas contra Minsk, disse à Sputnik o diretor do Departamento de Cooperação Econômica do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Dmitry Birichevsky.

    "Penso que defenderemos nosso parceiro Belarus, ajudaremos nossos aliados. Aquilo que o Ocidente inventa contra Belarus provoca emoções completamente negativas. Porque antes de tudo é preciso realizar uma investigação do que se passou e só depois pensar como reagir, e não fazer declarações apressadas", disse Birichevsky.

    O funcionário da chancelaria russa destacou que a abordagem do assunto por Moscou "consiste em não tomar medidas impulsivas”.

    "Não podemos reagir às medidas que foram impostas contra outro país, precisamos de discutir isso com os parceiros e ver o que podemos fazer", afirmou Birichevsky quando perguntado sobre medidas recíprocas caso as sanções europeias contra Minsk afetem o trânsito do gás russo.

    Em 23 de maio, um voo da Ryanair viajando de Atenas, capital da Grécia, para Vilnius, capital da Lituânia, fez um pouso de emergência devido a uma ameaça de bomba, que mais tarde se revelou falsa. O Ministério do Interior de Belarus confirmou que a bordo estava Roman Protasevich, que fundou um canal do Telegram designado como extremista por Minsk.

    Após reunião em 24 de maio, os líderes da UE tomaram a decisão de fechar seu espaço aéreo para os aviões belarussos e também recomendaram às companhias aéreas europeias para evitarem voos sobre o território de Belarus. O bloco apelou à imposição de sanções contra o país o mais rápido possível.

    Um dos casos mais conhecidos de pousos forçados ocorreu em 2013, quando o voo do então presidente boliviano Evo Morales foi obrigado a aterrissar em Viena. Segundo os rumores, a bordo junto com o presidente estava o ex-agente da Agência Central de Inteligência dos EUA, Edward Snowden, acusado pelos Estados Unidos de divulgar segredos de Estado.

    Mais:

    Investigadores belarussos afirmam terem existido várias mensagens sobre bomba no avião da Ryanair
    Após fala de Lukashenko, Suíça diz não ter tido conhecimento de bomba no voo da Ryanair
    Grécia nega ter recebido informação sobre ameaça a voo da Ryanair desviado para Minsk
    Tags:
    Ryanair, gás, sanções, avião, União Europeia, Belarus, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar