22:22 10 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    141092
    Nos siga no

    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Wang Wenbin, deixou clara a oposição de Pequim com relação ao uso das sanções unilaterais.

    As autoridades chinesas são contrárias ao uso das sanções unilaterais e cooperarão com a Rússia para proteger a soberania nacional, anunciou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Wang Wenbin.

    Com relação às sanções norte-americanas contra a Rússia, o porta-voz explicou que o país asiático é totalmente contra o uso de medidas restritivas unilaterais, além disso, ele valorizou a relação entre Pequim e Moscou.

    Wang também assegurou que a China e a Rússia "se apoiarão mutuamente" em todos os assuntos relativos à proteção da soberania nacional.

    Após qualificar as sanções unilaterais como "manifestação de hegemonia", o diplomata indicou que Pequim espera que os EUA e a Rússia estabeleçam um diálogo político construtivo e resolvam as diferenças em igualdade e respeito mútuo.

    Os EUA impuseram novas sanções contra a Rússia no dia 15 de abril devido a supostas "ações de seu governo e serviços de inteligência contra a soberania e interesses norte-americanos".

    Estas medidas punitivas incluem a deportação de dez diplomatas da embaixada russa em Washington e envolvem 16 entidades e 16 pessoas.

    O Ministério das Relações Exteriores da Rússia publicou uma lista de medidas em resposta às sanções, incluindo a expulsão de dez diplomatas norte-americanos de Moscou, "em uma quantidade proporcional à ação realizada pelas autoridades dos EUA contra os diplomatas russos".

    Mais:

    Novas sanções dos EUA contra Rússia afetarão dívida pública russa, diz mídia
    Administração Biden avalia como sanções contra Rússia mudarão situação em Donbass, diz mídia
    EUA devem expulsar 10 diplomatas russos e anunciar sanções, diz mídia
    Tags:
    política, soberania, Ocidente, EUA, sanções, cooperação, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar