21:01 14 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    9723
    Nos siga no

    Cerca de 14.400 pessoas participaram de ações não autorizadas em 29 cidades da Rússia nesta quarta-feira (21), de acordo com o Ministério do Interior do país.

    De acordo com a polícia de Moscou, até as 20h30 (horário local, 14h30 em Brasília), cerca de 6.000 pessoas participavam de uma ação não autorizada no centro da capital.

    Segundo a polícia de São Petersburgo, 4.500 pessoas participaram da manifestação na cidade. As autoridades isolaram as ruas adjacentes à Praça do Palácio.

    Ações não autorizadas em apoio a Aleksei Navalny aconteceram em várias cidades da Rússia, em 21 de abril de 2021.
    © Sputnik / Pavel Lisitsyn
    Ações não autorizadas em apoio a Aleksei Navalny aconteceram em várias cidades da Rússia, em 21 de abril de 2021

    Em Ekaterinburgo, 2.500 pessoas foram às ruas para participar das manifestações, anunciou o Ministério de Segurança Pública regional à Sputnik.

    De acordo com um correspondente da Sputnik, os policiais alertaram repetidamente os moradores sobre a responsabilidade pela participação em passeatas não autorizadas e pediram que as multidões se dispersassem.

    ​Cerca de 6.000 pessoas participam de manifestações não autorizadas em Moscou, afirma o Ministério do Interior #SputnikUpdates.

    ​As manifestações não autorizadas pelo governo do país são em apoio ao opositor preso Aleksei Navalny.

    Em outros lugares da Rússia, a polícia deteve cerca de 50 pessoas na cidade de Ufa. Em Moscou, um homem foi preso perto da Biblioteca Estatal Russa carregando o que se acredita ser um porrete em sua mochila.

    Mais:

    Legislador indiano diz que EUA enviam 'dicas sombrias' a Nova Deli sobre compra dos S-400 russos
    Rússia: EUA mantêm silêncio sobre próprios planos de implantação de armas nucleares
    Ucrânia eleva tensão com a Rússia e adota lei para convocar reservistas militares
    Tags:
    manifestação, polícia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar