20:17 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    0 211
    Nos siga no

    Uma expedição da Frota do Norte russa e da Sociedade Geográfica Russa encontrou no mar de Barents o submarino Katyusha, afundado durante a Segunda Guerra Mundial, de acordo com informação do serviço de imprensa da frota.

    O anúncio foi feito nesta sexta-feira (16).

    "O navio multifuncional de logística Elbrus realizou a avaliação instrumental do relevo do fundo do mar, em resultado da qual foi confirmada a presença de um submarino do tipo K ou Katyusha, no campo minado alemão Bantos-A", diz o comunicado.

    Os especialistas determinaram que o casco do submarino estava destruído em três partes, estando coberto por redes de pesca. A razão da perda do submarino, de acordo com a Frota do Norte, teria sido a "explosão de uma mina alemã com a subsequente detonação de suas próprias munições".

    Submarino do tipo K Katyusha em 1968
    © Sputnik / Mikhail Ozersky
    Submarino do tipo K Katyusha em 1968

    Os participantes da expedição pretendem determinar o número tático do submarino. Agora, sua identificação é dificultada pela grande quantidade de redes no local. Até agora, a classificação foi realizada através das dimensões do casco e alguns elementos não cobertos pelas redes – a antena de rádio, os embornais no casco, bem como dispositivos internos como, por exemplo, os cilindros de alta pressão e a tubulação de ventilação.

    No decorrer da expedição foi examinada a área, da qual os pescadores se queixavam: o navio afundado era a causa de numerosas quebras nas redes de arrasto. As informações obtidas foram agora registradas nos mapas de navegação marítima.

    Mais:

    Submarinos nucleares da Marinha russa receberão novas armas
    Três submarinos nucleares russos emergem do gelo no Ártico ao mesmo tempo pela 1ª vez (VÍDEO)
    Formidável e silencioso: novo submarino diesel-elétrico russo Magadan é lançado à água (FOTOS)
    Tags:
    Rússia, minas, Mar de Barents, submarino
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar