17:26 27 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    2140
    Nos siga no

    A aliança não respondeu às propostas da Rússia para realizar negociações, que o país fez durante vários anos. Os contatos entre a Rússia e OTAN pela linha militar foram "completamente cortados", disse diplomata russo.

    A Rússia fez durante vários anos propostas à OTAN para realizar negociações, a aliança não respondeu, afirmou à Sputnik o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Aleksandr Grushko.

    "Estamos preparados para discutir as questões de desescalada, fizemos propostas concretas de que estamos preparados para realizar negociações e consultas, tanto com a OTAN, como com países individualmente, sobre a melhoria dos mecanismos para prevenir incidentes militares perigosos, considerando, claro, o aumento da atividade nas zonas de contato, principalmente na região do Báltico e no mar Negro", disse Grushko.

    "Fizemos [propostas] durante vários anos, foi todo um conjunto de propostas de nossos militares, dissemos isso várias vezes", destacou o vice-chefe do MRE russo.

    A Rússia está realizando consultas com alguns países da OTAN em separado, elas estão sendo melhoradas, segundo Grushko.

    "Com alguns [países] tais consultas estão sendo realizadas, mas a aliança como tal não reagiu positivamente a nossas propostas. Embora estivéssemos preparados para essa variante", revelou o diplomata russo.

    Além disso, Grushko declarou que a causa principal de a reunião do Conselho Rússia–OTAN não ter sido realizada foi a falta de negociações, o principal foi os contatos pela linha militar terem sido cortados.

    Anteriormente, o secretário-geral da OTAN Jens Stoltenberg revelou, em seu relatório sobre os resultados de 2020, que a reunião do Conselho Rússia-OTAN não foi realizada por culpa do lado russo.

    "O problema principal hoje é que os contatos pela linha militar estão completamente cortados. Em muitos aspectos, esse é o obstáculo principal para um diálogo político no Conselho", afirmou Grushko.

    Grushko destacou que Moscou está pronta para "melhorar realmente o entendimento da tendência da atividade militar um do outro", mas para isso a OTAN precisa reestabelecer contatos pela linha militar, dando "esse primeiro passo mínimo".

    "Caso contrário, tudo isso pertencerá à esfera de um gênero puramente verbal, que por si mesmo não melhorará de maneira nenhuma a situação na Europa", afirmou o vice-chefe do MRE russo.

    Falando da Ucrânia, Grushko disse que a OTAN gostaria de discutir o conflito no país, mas o papel da aliança nesse âmbito é "destrutivo". A ajuda da OTAN aos grupos beligerantes em Kiev contradiz o cumprimento dos acordos de Minsk e encoraja sua sabotagem.

    "A ajuda que é fornecida pela OTAN aos grupos mais beligerantes em Kiev contradiz o objetivo da procura de uma resolução política, o cumprimento dos acordos de Minsk e, de fato, encoraja as autoridades de Kiev a continuar sabotando o conjunto de medidas de Minsk", segundo Grushko.

    Mais:

    OTAN considera sistema russo Pantsir-S1 armamento 'perfeito' contra drones militares
    'Demônio de velocidade': caça russo Su-27 é 'pior pesadelo' da OTAN, diz mídia norte-americana
    Inteligência dos EUA diz que Rússia tentou minar Biden nas eleições de 2020
    General polonês descreve possível cenário de guerra entre Rússia e OTAN em Kaliningrado
    Rússia critica os EUA por pressionarem Brasil a não comprar Sputnik V
    Tags:
    Rússia, OTAN, diplomata, Ministério das Relações Exteriores, reunião
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar