02:37 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    10533
    Nos siga no

    União Europeia pela primeira vez impôs sanções pessoais contra Rússia por violação de direitos humanos devido à prisão do opositor Aleksei Navalny, segundo jornal oficial da UE.

    União Europeia incluiu o procurador-geral Igor Krasnov, o presidente do Comitê de Investigação Aleksandr Bastrykin, o chefe do Serviço Penitenciário Federal Aleksandr Kalashnikov e o chefe da Guarda Nacional da Rússia Viktor Zolotov na lista de sanções pessoais contra Rússia, de acordo com jornal oficial da UE.

    "As medidas restritivas incluem a proibição de viagens à UE e congelamento de ativos de pessoas físicas. Além disso, as pessoas físicas e jurídicas da UE estão proibidas de entregar ativos às pessoas mencionadas na lista", afirmou a União Europeia.

    É revelado que as sanções entram em vigor no dia de publicação.

    Os chefes dos Ministérios das Relações Exteriores da União Europeia, durante reunião em 22 de fevereiro, tomaram a decisão política de aumento das sanções pessoais antirrussas que afetariam pessoas ligadas à detenção de Navalny.

    Josep Borrell, alto representante da União Europeia para Assuntos Exteriores e Política de Segurança, expressou a iniciativa de adição de cidadãos russos à lista de sanções depois de visita a Moscou de 4 a 6 de fevereiro, que terminou com o representante declarando "a ausência de vontade russa de normalizar as relações com a União Europeia".

    As sanções contra os cidadãos russos mencionados são realizadas de forma inédita em conformidade com o novo procedimento da UE, que foi aprovado no ano passado. O novo procedimento permite impor sanções, congelando os ativos europeus dos sancionados, suspeitos de violação de direitos humanos ou beneficiados de tais violações. Além disso, as sanções proíbem a entrada na União Europeia.

    A chancelaria russa chamou as sanções impostas devido à prisão de Navalny de "dificultosas e injustas", e prometeu responder. O porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, afirmou que o Kremlin está seguro de que a política de sanções contra Rússia não alcançará os objetivos desejados.

    Em 2 de fevereiro, a Justiça russa substituiu uma pena suspensa de três anos e meio de prisão contra o opositor russo Aleksei Navalny por uma condenação efetiva. Com a nova decisão, Navalny ficará dois anos e oito meses preso, descontando o ano em que ele já passou em prisão domiciliar.

    Mais:

    Homem é suspeito de espionar o parlamento alemão para a inteligência russa, dizem promotores
    Moscou promete reagir às novas sanções da União Europeia e não descarta resposta assimétrica
    Tribunal de Moscou considera legal a substituição de pena suspensa de Navalny por prisão real
    Biden poderá continuar aplicando sanções da era Trump ao setor tecnológico da China
    UE declara 'persona non grata' chefe de missão diplomática da Venezuela
    Rússia acusa UE de interferir nos assuntos internos com ameaça de sanções
    Tags:
    União Europeia, Rússia, sanções, Aleksei Navalny, direitos humanos, detenção
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar