10:08 26 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    2132
    Nos siga no

    Presidente da Duma de Estado da Rússia, Vyacheslav Volodin, pediu para que organizações internacionais analisem a liberdade de expressão nos EUA.

    Durante sessão plenária da Duma de Estado da Rússia, Volodin fez críticas e apontou contradições na democracia norte-americana tendo em vista os últimos eventos naquele país.

    "Em todos os lugares os participantes de ações políticas não autorizadas são chamados por Washington de combatentes pela liberdade e democracia. Mas quando a mesma coisa aconteceu nos EUA, eles chamaram tais pessoas de terroristas internos, os quais estão sujeitos a pegar de 15 a 20 anos de cadeia. Eles sim, serão verdadeiros presos políticos. Vamos dar o nome apropriado para as coisas", declarou Volodin em relação aos apoiadores de Trump que realizaram o ato de protesto no Capitólio em Washington em 6 de janeiro passado.

    Além disso, a autoridade russa disse que os EUA terão que "reconhecer: ou isso é uma política de padrões duplos, ou eles têm pessoas oprimidas devido às suas visões políticas".

    Volodin também propôs uma tarefa especial ao Comitê de Assuntos Exteriores da Duma de Estado:

    "Vamos encarregar o Comitê de Assuntos Exteriores da Duma de Estado de preparar propostas para que organizações internacionais analisem a situação atual da liberdade de expressão e tomem decisões que não permitam que isso se repita no futuro."

    Interferência na Rússia

    Volodin acusou países da OTAN, incluindo os EUA, de tentarem interferir nas campanhas eleitorais para a Duma de Estado.

    "Em setembro ocorrerão as eleições para a Duma de Estado [...] É necessário fazer tudo para não permitir a interferência estrangeira na nossa campanha eleitoral. Tendo em vista as eleições passadas e a situação de hoje, entendemos que tal como anteriormente eles vão interferir. E na liderança desses processos estão os EUA e seus aliados na OTAN", declarou.

    Navalny

    Ontem (18), o opositor russo Aleksei Navalny foi condenado pela Justiça da Rússia a 30 dias de prisão, um dia após ser detido no Aeroporto Internacional Sheremetyevo, Moscou, quando chegava depois de ter feito tratamento médico na Alemanha.

    Na ocasião, Navalny foi acusado de ter violado termos de liberdade condicional por uma condenação que data ainda de 2014.

    Falando do suposto envenenamento do ativista, Volodin ressaltou que o mesmo coopera com forças ocidentais contra a Rússia.

    "Hoje, na forma de instrumento, Navalny é usado por serviços especiais ocidentais, pelo Departamento de Estado [dos EUA]. Todos devem entender: há Estados estrangeiros por trás de tudo o que ele faz. Nossa tarefa é impedir a interferência estrangeira."

    Volodin também classificou o comportamento do ativista como traição à Rússia.

    "Se uma pessoa traiu o país, se ela é financiada por países estrangeiros, então ela não tem nada a fazer em nenhuns órgãos de poder, tanto mais isso não pode ser permitido pelos que se dedicam à política e representam nossos cidadãos em diferentes órgãos de poder."

    Mais:

    Síria não deve ser transformada em campo de batalha entre Israel e Irã, afirma Rússia
    'Aos olhos do mundo, democracia dos EUA hoje parece sitiada', diz chefe da diplomacia da UE
    Trudeau diz que Canadá não se curvará à "diplomacia coercitiva" da China
    Tags:
    Capitólio dos EUA, política, democracia, Aleksei Navalny, Vyacheslav Volodin, Rússia, eleições, liberdade de expressão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar