11:34 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    1260
    Nos siga no

    Países-membros do BRICS anunciam por meio de declaração seu posicionamento em relação ao controle de armas nucleares, terrorismo e outros temas de importância global.

    Documento com a declaração da 12ª Cúpula dos países do BRICS diz:

    "Nós declaramos nosso apoio aos esforços político-diplomáticos urgentes para manutenção e fortalecimento da paz e segurança internacionais. Nós lamentamos a falha no funcionamento dos mecanismos de estabilidade estratégica e dos regimes de controle de armamentos e nos comprometemos a os apoiar", publicou o site da presidência da Rússia do BRICS.

    Os líderes dos países do BRICS – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – ressaltaram "a significância de princípio do Tratado entre a Rússia e os Estados Unidos sobre medidas de futura redução e limitação das armas estratégicas de ataque [Tratado Novo START] de 2010 para o regime de desarmamento e não proliferação nuclear", assim como conclamaram os dois países para acordarem de forma urgente sua prorrogação.

    Tratado Novo START

    O tratado, assinado pela Rússia e EUA em 2010, impôs condições para que, sete anos após entrar em vigor, o arsenal nuclear de ambos os lados se limite a: 700 mísseis balísticos intercontinentais instalados em silos, submarinos e bombardeiros estratégicos; 1.550 ogivas nucleares para eles; 800 plataformas de lançamento instaladas e não instaladas para os mísseis mencionados.

    O acordo continua vigente até 5 de fevereiro de 2021. Contudo, caso não seja substituído ou prorrogado, as limitações nele mencionadas perderão sua força.

    Washington e Moscou têm discutido a prorrogação do documento, contudo, ainda não chegaram a uma solução final.

    BRICS contra o terrorismo

    A declaração também ressaltou o repúdio dos países-membros ao terrorismo.

    "Nós reiteramos nossa forte condenação do terrorismo em todas suas formas e manifestações cometido em qualquer tempo, lugar ou por quem quer que seja, e que isso não deve ser associado com qualquer religião, nacionalidade, civilização ou grupo étnico."

    "Nós reafirmamos nosso comprometimento inabalável de continuar a contribuir para os esforços globais da prevenção e contenção da ameaça do terrorismo com base no direito internacional e na Carta das Nações Unidas, enfatizando que os Estados têm a primeira responsabilidade no combate ao terrorismo com as Nações Unidas continuando a ter papel central e de coordenação nesta área", expõe o documento.

    Segunda Guerra Mundial

    No contexto dos 75 anos do fim da Segunda Guerra Mundial, o bloco de países aproveitou para expressar sua visão sobre pontos importantes do conflito mundial.

    Entre eles, se destacou a condenação da destruição de monumentos dedicados aos que combateram as forças nazifascistas.

    "Nós reconhecemos a Vitória na Segunda Guerra Mundial como nosso legado comum e prestamos tributo àqueles que lutaram contra o fascismo, tirania e militarismo, colonialismo e pela libertação dos colonizados, pela liberdade das nações, e ressaltamos a importância da preservação e inadmissibilidade da profanação ou destruição de monumentos erguidos em sua memória."

    Conflito na Síria

    Os países do BRICS defenderam a soberania da Síria, ao passo que apoiaram a ideia do retorno dos refugiados do país a sua terra natal.

    "Nós reafirmamos forte comprometimento com a soberania, independência, unidade e integridade territorial da República Árabe da Síria. Nós temos certeza de que não pode haver uma solução militar do conflito sírio [...] retorno voluntário e digno dos refugiados sírios e pessoas que foram deslocadas internamente [de volta] para suas residências permanentes, assim contribuindo para que se alcance estabilidade e segurança duradouras na Síria e na região em geral."

    Segurança cibernética

    Os países expressaram preocupação "com relação ao aumento do número e crescente complexidade dos casos de uso de tecnologias de informação e comunicação para objetivos criminosos".

    Para se combater os crimes na rede, o BRICS reconheceu que é necessária a cooperação entre os países.

    "Ressaltando o potencial colossal da revolução digital para o crescimento e desenvolvimento, nós reconhecemos o problema das novas possibilidades para atividades criminosas e ameaças ligadas a ela", publicou o site da presidência da Rússia do BRICS.

    Mais:

    Países membros do BRICS compartilham visões em comum nas reformas de FMI, OMC e OMS, diz Putin
    Banco do BRICS poderá ter novos membros, diz presidente brasileiro da instituição
    Presidente Jair Bolsonaro discursa durante Cúpula de Chefes de Estado do BRICS
    Tags:
    cúpula, África do Sul, Índia, China, Brasil, Rússia, arsenal nuclear, arma nuclear, Tratado START, BRICS
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar