23:51 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    Coronavírus no mundo no fim de outubro (54)
    0 360
    Nos siga no

    O Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo) enviou à Organização Mundial da Saúde (OMS) pedidos para procedimento acelerado de registro e pré-qualificação da vacina russa Sputnik V contra o coronavírus.

    O Programa de Pré-qualificação da ONU é o único programa global de garantia de qualidade de medicamentos que é coordenado pela OMS.

    "RFPI enviou à OMS pedidos de procedimento acelerado de registro e pré-qualificação da Sputnik V, a primeira vacina registrada do mundo contra o coronavírus e desenvolvida na bem estudada plataforma de vetores de adenovírus humanos", relatou a entidade.

    A organização avalia a qualidade, a segurança e a eficácia dos medicamentos. Se os requisitos e normas forem satisfatórios, o medicamento é adicionado à lista utilizada por organizações internacionais e países compradores para gestão da aquisição de medicamentos em massa.

    Desta maneira, Rússia se tornou um dos primeiros países a solicitar à OMS a pré-qualificação da sua vacina contra o novo coronavírus.

    "[...] Expressamos gratidão à OMS pela sua ativa cooperação e esperamos que o processo de pré-qualificação seja bem-sucedido em todas as etapas", disse Kirill Dmitriev, diretor-geral do RFPI.

    Em um cenário atual pandêmico, um registro acelerado da vacina tornaria o medicamento acessível a todo o mundo em um prazo mais curto em comparação com procedimentos regulares.

    Registrada no início de agosto, a vacina Sputnik V, desenvolvida pelo Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya, com financiamento do RFPI, tem despertado a atenção de diversos países.

    Mais de 50 países do Oriente Médio, Ásia, América Latina, Europa e Comunidade dos Estados Independentes firmaram acordos de compra da vacina Sputnik V.

    Tema:
    Coronavírus no mundo no fim de outubro (54)

    Mais:

    Ex-presidente de Honduras revela como foi receber vacina russa Sputnik V
    Professor britânico-libanês do Imperial College e a COVID-19: conclusões sobre a Sputnik V
    Dos pacientes vacinados, 85% não apresentam efeitos colaterais à vacina russa Sputnik V
    Tags:
    novo coronavírus, COVID-19, Rússia, OMS, Sputnik V
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar