20:26 29 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    3200
    Nos siga no

    Para exploração do Ártico, Rússia vai construir os três quebra-gelos nucleares mais poderosos do mundo, do projeto Lider, e cinco outros navios deste tipo do projeto 2222.

    Além dos quebra-gelos, o país receberá 16 embarcações de resgate e rebocadores de salvamento de diferentes potências, três navios hidrográficos e duas embarcações de balizagem, relata o decreto presidencial "Estratégias para desenvolvimento da zona ártica da Federação da Rússia e para assegurar a segurança nacional até 2035".

    Os quebra-gelos nucleares do projeto Lider são necessários para garantir a navegação durante o todo ano na Rota Marítima do Norte.

    O novo navio terá 209 metros de comprimento 47,4 metros de boca, capacidade (máxima) de quebrar gelo de quatro metros, potência de 120 megawatts e velocidade de 22 nós em água sem gelo.
    Modelo 3D do quebra-gelo Líder
    © Foto / Rosatom
    Modelo 3D do quebra-gelo Líder

    Atualmente os quebra-gelos da classe Arktika, projeto 22220, são os maiores e mais potentes do mundo com 173,3 metros de comprimento, 34 metros de boca e deslocamento de 33,5 mil toneladas.

    Estes navios são capazes de quebrar gelo de até três metros de espessura acompanhando outros navios em condições extremas no Ártico.

    Por outro lado, a expansão rumo ao Ártico está também na pauta dos EUA já há algum tempo, e tem ganho mais importância com a administração Trump.

    Um dos exemplos mais recentes disso foi a sugestão do presidente Donald Trump de comprar a Groenlândia da Dinamarca. A enorme ilha se localiza quase inteiramente dentro do Círculo Polar Ártico.

    Mais:

    Por que EUA querem construir frota de quebra-gelos no Ártico?
    Marinha russa planeja reforçar frota do Ártico com grupo de quebra-gelos até 2028
    Gigante e poderoso: quebra-gelo nuclear mais potente do mundo entra em serviço na Rússia (VÍDEO)
    Tags:
    EUA, navios russos, Rússia, oceano Ártico, Arktika, quebra-gelo, Rosatom
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar