19:15 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    5220
    Nos siga no

    O governo da Rússia afirmou nesta quarta-feira (7) que a presença de mercenários sírios em Nagorno-Karabakh é motivo de "profunda preocupação".

    Em entrevista coletiva em Moscou, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, foi perguntado se a Rússia pensava em realizar uma operação antiterrorista em Nagorno-Karabakh, similar a que ocorreu na Síria, devido à presença de mercenários sírios no território.

    "A presença de combatentes de grupos armados ilegais em uma zona de conflito é um grande perigo e motivo de profunda preocupação para a Rússia", respondeu Peskov.

    O porta-voz também foi questionado se a "profunda preocupação" da Rússia poderia se materializar em medidas concretas dirigidas contra os mercenários, mas afirmou que não tinha essa informação.

    O presidente da Síria, Bashar Assad, disse em entrevista à Sputnik que grupos de radicais estavam se deslocando da Síria para Nagorno-Karabakh, e que a Turquia utiliza terroristas sírios e de outros países na república não reconhecida. Além disso, Assad acusou o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, de ser responsável pela nova espiral de conflito em Karabakh.

    O diretor do Serviço de Inteligência Externa da Rússia (SVR, na sigla em russo), Sergei Naryshkin, também comentou que mercenários do Oriente Médio estavam se dirigindo para Nagorno-Karabakh e que esses grupos eram formados por milhares de radicais.

    • Homens observam destruição em Stepanakert, na república não reconhecida de Nagorno-Karabakh, após ataques de artilharia
      Homens observam destruição em Stepanakert, na república não reconhecida de Nagorno-Karabakh, após ataques de artilharia
      © AP Photo / David Ghahramanyan
    • Residências destruídas após ataques à cidade de Ganja, em Nagorno-Karabakh
      Residências destruídas após ataques à cidade de Ganja, em Nagorno-Karabakh
      © Sputnik / Mikhail Voskresensky
    •  Disparo de artilha na região contestada de Nagorno-Karabakh (foto de arquivo)
      Disparo de artilha na região contestada de Nagorno-Karabakh (foto de arquivo)
      © AP Photo / Ministério da Defesa do Azerbaijão
    • Lançador múltiplo de foguetes das Forças Armadas do Azerbaijão realizando ataques durante confrontos sobre a região de Nagorno-Karabakh, Azerbaijão, publicada em 30 de setembro de 2020
      Foguetes sendo lançados pelo Azerbaijão
      © REUTERS / Ministério da Defesa do Azerbaijão / Handout
    • Soldado luta contra forças azeris na região de Nagorno-Karabakh, 29 de setembro de 2020
      Soldado luta contra forças azeris na região de Nagorno-Karabakh, 29 de setembro de 2020
      © REUTERS / Ministério da Defesa da Armênia
    • Forças azeris conduzem ofensiva contra militares armênos durante o conflito em Nagorno-Karabakh
      Forças azeris conduzem ofensiva contra militares armênos durante o conflito em Nagorno-Karabakh
      © Foto / Ministério de Defesa do Azerbaijão
    1 / 6
    © AP Photo / David Ghahramanyan
    Homens observam destruição em Stepanakert, na república não reconhecida de Nagorno-Karabakh, após ataques de artilharia

    Conflito em Nagorno-Karabakh

    No dia 27 de setembro, os enfrentamentos armados voltaram a explodir em Nagorno-Karabakh, um território montanhoso e de população majoritariamente armênia. A região está no centro do conflito entre Armênia e Azerbaijão desde que decidiu se separar da antiga República Socialista Soviética do Azerbaijão em 1988.

    Baku e Erevan se acusam mutuamente de terem promovido a escalada do conflito e ordenaram a mobilização de reservistas, impuseram a lei marcial e travam combates com o uso de blindados, artilharia, aviação e sistemas de mísseis ao longo da linha que separa suas tropas.

    Mais:

    Capital de Nagorno-Karabakh é atingida por 20 disparos de artilharia
    Em Nagorno-Karabakh foram mortos 93 mercenários da Síria, diz fonte
    Nagorno-Karabakh reporta 21 baixas militares em um dia
    Tags:
    Turquia, Rússia, Azerbaijão, Armênia, Síria, Nagorno-Karabakh, conflito armado
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar