11:30 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    0 110
    Nos siga no

    Construída em 1947, a aeronave foi adotada principalmente na economia civil devido a sua versatilidade e simplicidade de produção e manuseamento, sendo também ideal para treinar pilotos.

    O avião An-2, também conhecido como Colt ou Annushka, é uma aeronave leve monomotora e multiuso desenvolvida no final dos anos 1940 na URSS que continua em produção, apesar dos avanços na tecnologia aeronáutica desde então.

    De facto, o avião detém o recorde do Guinness como a aeronave com o maior tempo de produção: mais de 70 anos com mais de 18.000 unidades fabricadas em dezenas de variantes, incluindo de passageiros, ambulâncias, combate a fogos, transporte, várias aeronaves de pesquisa e até mesmo veículos de medição do efeito estufa.

    O início da lenda

    A primeira ideia de criar um avião assim surgiu no início da década de 1930. Na época já havia aviões com decolagem e aterrissagem curtas, mas eram muito leves e não podiam realizar nenhuma missão de transporte séria. O cérebro por trás da ideia de construir uma aeronave assim foi Oleg Antonov, que queria criar um biplano monomotor. Mais tarde, começou a Segunda Guerra Mundial, que adiou seus planos.

    Quando a guerra terminou e a atenção mudou para a recuperação econômica, a aeronave voltou a ser considerada, mas o avião "todo-o-voo", ou vezdelyot, em russo, não ganhou muita popularidade na comunidade aeronáutica, sendo considerado obsoleto já na época, devido a seu design ser semelhante aos da Primeira Guerra Mundial.

    Acima de tudo, o avião não apresentava nenhuma inovação técnica, não sendo nem grande, nem rápido, e não voando alto.

    No entanto, não sendo útil para a guerra, também os caças e bombardeiros existentes não eram eficientes na economia civil. O diretor do Escritório de Projetos Yakovlev, onde Antonov trabalhava, não quis prosseguir o projeto, que também não era de sua especialidade, mas lhe permitiu continuar este trabalho de forma independente.

    Em 31 de maio de 1946, o Kremlin ordenou o desenvolvimento de uma aeronave leve e a formação do escritório de projetos n.º 153 na cidade de Novossibirsk, Sibéria. O escritório de projetos tinha apenas 20 funcionários, o trabalho de desenvolvimento era bastante complexo devido à falta de recursos e às constantes mudanças nos requisitos.

    Em 1947, foi construído um modelo em escala real, e no verão do mesmo ano foi desenvolvido um protótipo funcional, chamado SKh-1, que fez seu primeiro voo em 31 de agosto.

    Produção do An-2

    Apesar das desvantagens, o An-2 era muito fácil de dirigir e podia facilmente realizar manobras consideradas extremamente arriscadas para a maioria dos aviões, podendo ser controlado com velocidades tão baixas como 50 km/h. A aeronave atingia uma velocidade de cruzeiro de 185 km/h e uma velocidade máxima de 260 km/h.

    Piloto de aviação agrícola ao volante do avião An-2, República Socialista Soviética Uzbeque, URSS, 1967
    © Sputnik / E. Vilichinskyi
    Piloto voando em um biplano An-2

    Apesar do sucesso dos voos de teste, houve sérios problemas relacionados com sua fabricação, por isso Nikita Khrushchev, o então líder da República da Ucrânia e futuro líder da URSS, insistiu que o avião fosse fabricado em Kiev, recebendo aí seu primeiro nome oficial: Antonov 2, ou An-2.

    Após vários atrasos, a produção em massa do An-2 começou em 1953. A fábrica de aviação de Kiev montou 3.164 aeronaves deste modelo nos dez anos seguintes. A aeronave se tornou rapidamente um sucesso e várias outras fábricas iniciaram sua produção.

    Em 1956, a China licenciou a produção do An-2 sob os nomes Fong Shu-2 e Yun-5, que ainda hoje são fabricados em pequenos lotes. O An-2 também foi montado na fábrica de aviação da PZL em Mielec, Polônia, a partir de 1959.

    Curiosamente, foi esta fábrica que teve o maior tempo de produção: em 2002 entregou seu último An-2, atingindo um total de 11.915 unidades fabricadas, o que constitui a maior parte da frota de An-2.

    Força do biplano

    Em teoria, é considerada uma pequena aeronave leve, mas é grande para um biplano. Seu peso máximo de decolagem é de 5,5 toneladas, ele pode transportar até 12 passageiros ou 1,5 toneladas de carga.

    O An-2 foi projetado no final dos anos 1940 para ser uma aeronave que pudesse ser operada desde qualquer lugar e mantida e pilotada por qualquer pessoa, devido ao pobre estado da rede de aeródromos e ao número de pilotos qualificados na época.

    Sua fuselagem e elementos estruturais são completamente metálicos, mas a maioria de suas superfícies é feita de tecido, especialmente as asas e a empenagem, o que facilitava a inspeção e o conserto, além de ser um material mais leve que o metal. A maioria dos danos nas asas, arranhões e rasgos poderiam ser fixados imediatamente com ferramentas e conhecimentos de garagem. Assim, a simplicidade de manutenção do avião foi elevada ao máximo.

    Avião An-2
    Avião An-2

    Para aumentar ainda mais seu desempenho, as asas são equipadas com dispositivos hipersustentadores bastante grandes, que permitem que o piloto faça quase tudo.

    O An-2 ainda hoje é usado para treinar novos pilotos, usando um trem de pouso incrivelmente potente. Isso permite que 200 metros de pista sejam suficientes para aterrissar e decolar, e até menos.

    O coração do An-2 é o motor radial de 9 cilindros ASh62IR de 30 litros e 1.000 cavalos de potência.

    O propulsor é equipado com uma hélice de passo variável de quatro pás que permite controlar o empuxo e manter a velocidade de voo sem alterar as rotações do motor.

    Os engenheiros levaram em conta que poderia haver falta de equipamento em terra para a aeronave, de modo que o An-2 não precisa dele ou o transporta com ele. Por exemplo, o avião tem sua própria bomba de combustível. Graças a ela, só é necessário que a equipe terrestre traga um barril de combustível e uma mangueira, pois o An-2 pode se reabastecer.

    Atualizações

    Devido a se ter tornado obsoleto em termos técnicos por ser uma produção de 1947, houve muitas modernizações desde então para atualizar o avião.

    Entre as tentativas mais promissoras esteve a criação do An-3 com o motor turboélice TVD-20 de 1.375 cavalos de potência. A fábrica de aviação Antonov também desenvolveu uma nova versão, a An-2-100, propulsada pelo motor turboélice Motor Sich MS-14, que gera 1.500 cavalos de potência.

    Voos de demonstração de aviões multiuso leves soviéticos An-2 no festival de esportes militares por ocasião do Dia das Forças Aerotransportadas, no polígono de Alabino, oeste da Rússia
    © Sputnik / Ramili Sitdikov
    Voos de demonstração de aviões multiuso leves soviéticos An-2

    Além disso, a fábrica de Novossibirsk, que esteve na origem do projeto nos anos 1940, criou o An-2MS, ou TVS-2MS, usando motores Honeywell TPE-331-12 de 1.100 cavalos. Graças ao novo motor e à substituição de alguns elementos por alternativas de materiais compostos, a aeronave se tornou mais leve e seu desempenho em voo melhorou.

    O próximo passo foi criar um demonstrador de tecnologia baseado no An-2: o TVS-2DTS, que fez seu primeiro voo no verão de 2017 e foi apresentado ao público na feira aeronáutica MAKS 2017.

    O avião tem o mesmo motor da Honeywell, mas seu design mudou. A aeronave recebeu uma fuselagem de materiais compostos e novos equipamentos de bordo. Na sua essência, é uma aeronave completamente nova: a única coisa que retém do An-2 original é a configuração geral.

    Mais:

    Caças interceptam avião próximo de campo de golfe de Trump em Nova Jersey
    Drone sumido: Letônia encerra aeroporto acionando Exército na busca do aparelho (FOTO, VÍDEO)
    Passageiro grava de dentro da cabine VÍDEO aterrorizante de avião caindo logo depois de decolar
    Avião faz pouso forçado na Rússia e deixa 7 feridos em estado grave (FOTO)
    Tags:
    China, Kiev, Nikita Khrushchev, Sibéria, Segunda Guerra Mundial, Primeira Guerra Mundial, Guinness Book, Guinness Book, Guinness, Polônia, Rússia, URSS, Antonov, Honeywell, MAKS 2017, MAKS, An-2
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar