13:36 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    9204
    Nos siga no

    Um comitê parlamentar do país britânico publicou um relatório em que acusa a Rússia de ciberataques, interferência nos referendos nacionais e outras intromissões na vida política de Londres.

    O Comitê Parlamentar de Inteligência e Segurança do Reino Unido publicou na terça-feira (21) um relatório sobre a alegada interferência de Moscou na política interna do Reino Unido.

    A publicação descreve o Reino Unido como "um dos principais objetivos da inteligência russa no Ocidente". Segundo afirma, Moscou fortaleceu sua influência na política britânica usando ligações entre "oligarcas" e empresas e elites locais.

    "Isto levou a uma crescente indústria de intermediários: advogados, financiadores e agentes imobiliários, que eram de fato, deliberadamente ou não, agentes do Estado russo", diz o comunicado de imprensa.

    O documento também contém acusações de "ciberataques" e "disseminação de desinformação". Em particular, os canais RT e a agência Sputnik são acusados de cobertura tendenciosa do referendo de 2016 sobre a saída britânica da União Europeia.

    Essas mídias seriam dominadas pela posição "antieuropeia" e, assim, tentavam induzir os leitores e usuários de redes sociais a votar pelo Brexit, o que era alegadamente benéfico para as autoridades russas. Ao mesmo tempo, os próprios autores do relatório admitem que "é praticamente impossível provar a influência de tais tentativas" e que era necessário recolher provas de eventuais casos de interferência para instaurar processos contra a Rússia.

    O texto do documento de 50 páginas foi entregue ao gabinete do premiê Boris Johnson ainda em outubro de 2019. Na época, o governo atrasou a publicação, citando o fato de que "certos processos" deveriam preceder a publicação do documento. A decisão foi provavelmente adiada até a formação de um novo comitê de segurança, o que aconteceu apenas nesta semana.

    Reações ao documento

    A representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, chamou o documento de "russofobia em apresentação falsificada", afirmando que com a publicação do documento "não houve nada de sensacional".

    Dmitry Peskov, o porta-voz do presidente russo, Vladimir Putin, enfatizou que a Rússia nunca interferiu nos assuntos internos de outros Estados.

    O ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, tem dito que não há quaisquer fatos que confirmem isso.

    Chanceler russo Sergei Lavrov se faz presente em um encontro com diplomatas do Irã em Moscou
    © REUTERS / Ministério das Relações Exteriores da Rússia
    Chanceler russo Sergei Lavrov se faz presente em um encontro com diplomatas do Irã em Moscou

    Segundo Konstantin Kosachev, chefe do Comitê Internacional do Conselho da Federação, o Reino Unido está tentando recuperar a "palma da primazia" na política europeia "liderando na russofobia".

    Outros membros do governo russo, incluindo o senador Aleksei Kondratiev, desvalorizaram o documento, comentando que "a retórica não é nova".

    Elena Ananieva, diretora do Centro de Estudos Britânicos do Instituto da Europa da Academia de Ciências da Rússia, comentou o documento à Sputnik realçando que muito nele é "nebuloso" e não tem nada de concreto, incluindo o fato de dizer que certos dados secretos estariam disponíveis em anexo apenas para um grupo restrito de pessoas.

    Além disso, constata o fato de os autores acreditarem na interferência russa no referendo da independência da Escócia em 2014, mas admitirem não possuir provas concretas.

    "O relatório contém alegações de que a Rússia tentou influenciar a opinião pública em favor do Brexit. Johnson, agora chefe de governo, era então o chefe da campanha pela saída britânica da UE. Por isso, o relatório é desfavorável para ele", afirma.

    O governo britânico também reagiu à publicação, constatando desconhecer uma suposta interferência de Moscou nos assuntos internos de Londres. Segundo foi declarado, as agências de inteligência fazem constantes análises procurando encontrar indícios de participação externa da vida política do Reino Unido.

    Quando ainda era chanceler britânico, o atual primeiro-ministro Boris Johnson disse, em entrevista à Sputnik, que Londres não tem dados sobre a intervenção da Rússia no referendo do Brexit e em outros processos.

    Mais:

    Rússia vai responder às novas sanções anunciadas pelo Reino Unido, diz parlamentar russo
    'Viga em seu próprio olho': diplomata russo lembra as vezes que EUA já tentaram 'mudanças de regime'
    EUA: democratas pedem sanções contra Rússia por suposta interferência em eleição
    Tags:
    Academia de Ciências da Rússia, Escócia, Konstantin Kosachev, Sergei Lavrov, Vladimir Putin, Dmitry Peskov, Maria Zakharova, Brexit, Sputnik, RT, Ocidente, Boris Johnson, Rússia, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar