13:36 02 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    7272
    Nos siga no

    A embaixada russa em Washington rotulou como fake news a matéria de The New York Times alegando que Moscou estaria financiando o terrorismo no Afeganistão e exigiu que as autoridades dos EUA reagissem às ameaças recebidas pelos diplomatas russos por causa da publicação.

    A matéria de The New York Times, citando representantes anônimos de serviços de inteligência norte-americanos, alegou que a inteligência militar russa teria oferecido a terroristas do movimento Talibã (proibido na Rússia e em vários outros países) uma recompensa por estes atacarem soldados dos EUA no Afeganistão. A mídia não apresentou quaisquer provas do que foi dito.

    "Parem de criar fake news que provocam ameaças a vidas [humanas]", apelou a missão diplomática russa em sua conta oficial no Twitter.

    Além disso, os diplomatas pediram que as autoridades dos EUA "tomassem medidas eficazes para garantir o cumprimento de suas obrigações internacionais no âmbito da Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas de 1961". Trata-se de ameaças que funcionários da embaixada receberam de usuários do Twitter após a divulgação da matéria norte-americana. A captura de tela com uma das ameaças foi anexada ao tweet.

    ​No início de junho a bancada do Partido Republicano no Congresso publicou um relatório em que, entre outros assuntos, acusou a Rússia de financiar a atividade do Talibã e apelou para endurecer as sanções contra Moscou.

    A embaixada russa vem refutando as acusações desse tipo. De acordo com os diplomatas, trata-se de uma "farsa encenada" que visa prejudicar a imagem de Moscou no apoio à construção de um Afeganistão pacifico e estável.

    Palavra da chancelaria russa

    Além disso, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia ressaltou as atividades ilegítimas dos EUA no Afeganistão.

    "Falando de fatos, que são comumente conhecidos, o envolvimento de membros da inteligência americana no tráfico de drogas, em pagamentos a terroristas para que estes permitam a passagem de transportes, em subornos para realizar contratos em diferentes projetos, que são pagos pelos cidadãos norte-americanos – nada disso é um segredo no Afeganistão. Se quisermos, a lista de suas atividades pode ser continuada. Não parecerá ser curta", comentou o ministério.

    Operação dos EUA no Afeganistão

    Os EUA iniciaram uma operação militar contra o Talibã em 2001. Washington alegou que os talibãs escondiam terroristas do grupo Al-Qaeda (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) que cometeram os atentados de 11 de setembro do mesmo ano. Posteriormente, o governo do Talibã foi deposto e substituído por políticos leais aos EUA. O Talibã entrou em confronto armado com eles.

    Em fevereiro, os EUA e o Talibã assinaram a primeira trégua em 18 anos. Em particular, o documento prevê a retirada das tropas estrangeiras do Afeganistão em 14 meses e o início do diálogo interafegão após a troca de prisioneiros.

    Mais:

    Diretor do SIPRI prevê que crise da COVID-19 propicie aumento de conflitos militares e terrorismo
    Dois funcionários de emissora afegã morrem após sofrerem ataque em Cabul
    Ataque terrorista do Talibã mata 8 soldados no Afeganistão
    Tags:
    Talibã, Afeganistão, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar