20:43 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    2392
    Nos siga no

    Mais conhecido somo Saturn (Saturno, em russo), jacaré que sobreviveu a bombardeios da Segunda Guerra Mundial e teria pertencido a Hitler morreu no Zoológico de Moscou ontem (23).

    Enquanto na média os jacarés vivem entre 30 e 50 anos na natureza, Saturn superou as estimativas, atingindo 84 anos de vida, ao morrer de velhice ontem (23) pela manhã.

    Além de sua longevidade, o jacaré teve uma história para lá de interessante.

    Nascido por volta de 1936 nos EUA, o animal foi levado para o Zoológico de Berlim logo após seu nascimento.

    Contudo, no calor da Segunda Guerra Mundial, a cidade se tornou alvo de bombardeios dos aliados.

    Um dos ataques aconteceu em 23 de novembro de 1943, quando o jacaré "se aproveitou" da ocasião para fugir do zoológico.

    Contudo, circulam rumores de que o animal pertenceu a Hitler e não ao zoológico alemão.

    Até julho de 1946, o paradeiro do réptil foi um mistério. Naquele ano, ele foi encontrado por tropas britânicas, que decidiram o entregar à União Soviética.

    Desde então, o animal passou a integrar o Zoológico de Moscou.

    Bicho 'mimado'

    Segundo publicou o Zoológico de Moscou em sua página no Facebook, o réptil gostava de vida boa.

    O animal tinha preferências quanto ao cardápio e "nutria" maior carinho por certos funcionários.

    Além disso, ele gostava de massagem com escova. Quando não gostava de uma coisa, roía varas de aço e decorações de cimento no local.

    Apesar de seu jeito, o animal foi relembrado pela instituição com afeto, visto que ele viu muitos dos moscovitas ainda pequenos.

    Mais:

    Crocodilo afoga menina, mas não consegue devorá-la por falta de dentes (VÍDEO)
    Crocodilo de mais de 3 metros é resgatado próximo de escola no México (VÍDEO)
    Jacaré gigante emerge de lago e dá baita susto em norte-americano (VÍDEO)
    Tags:
    Zoológico, animal, Segunda Guerra Mundial, Hitler, jacaré
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar