11:44 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    O ex-primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi.

    Berlusconi renova seu compromisso de acabar com sanções antirrussas na Europa

    © AP Photo / Luca Bruno
    Rússia
    URL curta
    3170
    Nos siga no

    O ex-primeiro ministro da Itália e presidente do partido Forza Italia, Silvio Berlusconi, disse que seu partido político continuará trabalhando para por um fim às sanções da União Europeia contra a Rússia.

    "O partido Forza Italia continuará seus esforços para acabar com o mecanismo injusto e ineficiente de sanções contra a Rússia", disse Berlusconi em sua conta no Facebook.

    O político italiano realizou uma breve reunião na quinta-feira (4) com o presidente russo, Vladimir Putin, no aeroporto de Roma.

    O líder russo fez uma visita de um dia a Roma, onde se reuniu com seu colega Sergio Mattarella, o primeiro-ministro Giuseppe Conte e o papa Francisco.

    Berlusconi salientou que na Itália e na Europa há vozes cada vez maiores exigindo o fim das restrições impostas pela União Europeia à Rússia em 2014, devido à adesão da Crimeia.

    A região foi desmembrada da Ucrânia e aderiu à Rússia após o referendo realizado em março de 2014, no qual mais de 96% dos eleitores votaram por essa opção.

    Berlusconi enfatizou que seu encontro com o presidente russo ratificou suas "relações de respeito e amizade mútua", bem como "a importância fundamental dos laços da Rússia com a Itália e com a Europa".

    Em uma recente entrevista ao jornal italiano Corriere della Sera, Putin caracterizou Berlusconi como um político de classe mundial e um verdadeiro líder que defende os interesses da Itália na arena internacional.

    Mais:

    Vice-chanceler: sanções contra Irã são sanções contra Rússia e China
    Habitantes da Sicília: OTAN fora da Itália, Itália fora da OTAN
    Putin: Rússia quer retomar relações plenas com UE
    Tags:
    União Europeia, Itália, Rússia, sanções econômicas, Vladimir Putin, Silvio Berlusconi
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar