02:04 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Repórter Ivan Golunov, da edição Meduza

    Repórter detido pela polícia no centro de Moscou acusado de alegada posse de drogas

    © Foto / Instagram/ Ivan Gollunov
    Rússia
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    O repórter Ivan Golunov, da edição Meduza, foi detido no centro de Moscou, segundo declarações da polícia. Durante as buscas foram encontrados "cinco embrulhos com uma substância em pó".

    As conclusões da análise revelaram que a substância apreendida durante as buscas é um estupefaciente, mefedrona, com uma massa de cerca de quatro gramas, informa o comunicado.

    Contra ele foi iniciado um processo penal.

    A diretora-geral da edição Galina Timchenko e seu editor-chefe Ivan Kolpakov comentaram a detenção do repórter.

    Golunov conseguiu informar através de amigos que alguém lhe colocou dois embrulhos com uma substância desconhecida. De acordo com ele, não o deixaram usar o celular e chamar o advogado, informa o portal Meduza.

    Em entrevista ao serviço russo da Radio Sputnik, o advogado de Golunov disse que os embrulhos poderiam ter sido colocados de propósito.

    "O embrulho estava na mochila por cima dos objetos pessoais, o que indica que foi colocado por cima, em caso contrário ele estaria misturado com os pertences", disse o advogado.

    De acordo com o advogado, o próprio detido pensa que a detenção dele está relacionada com a sua atividade jornalística profissional.

    "Ivan afirma que causa [da detenção] está relacionada com a atividade jornalística dele. Nós achamos que isto é uma provocação, que as drogas poderiam ter sido colocadas por alguém de propósito", disse o advogado.

    Mais:

    Apoiadores de Assange se reúnem em frente a tribunal em Londres
    Relator da ONU diz que Julian Assange apresenta sintomas de 'tortura psicológica'
    Departamento de Justiça dos EUA preparou novas acusações contra Assange
    Tags:
    Rússia, drogas, detenção, jornalista
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar