03:19 16 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Ministério das Relações Exteriores da Rússia na Praça Smolenskaya-Sennaya, Moscou

    Moscou: decisão de Kosovo sobre funcionário russo desrespeita padrões internacionais

    © Sputnik / Natalia Seliverstova
    Rússia
    URL curta
    220
    Nos siga no

    O Ministério das Relações Exteriores da Rússia declarou que a decisão do Kosovo de declarar como 'persona non grata' o funcionário russo da Missão de Administração Interina das Nações Unidas no Kosovo (UNMIK), Mikhail Krasnoschekov, agredido pelas forças da região, é um desrespeito aos padrões internacionais.

    Em um comunicado, a chancelaria russa lembrou que em 31 de maio as autoridades de Kosovo classificaram como "persona non grata" o funcionário russo da Missão de Administração Interina das Nações Unidas no Kosovo (UNMIK), Mikhail Krasnoschekov, "que apesar de gozar de imunidade diplomática, foi preso e espancado com violência pela Operação da Força Especial Albanesa-Kosovo em 28 de maio.

    Anteriormente, o presidente sérvio, Aleksandar Vucic, havia informado que um funcionário russo da missão da ONU foi atacado e detido pelas forças especiais de Pristina em meio a uma operação no norte do Kosovo.

    O Ministério das Relações Exteriores da Rússia descreveu as ações das autoridades de Kosovo como "a continuação de sua política aberta que visa agravar as relações internacionais na região e o desprezo pelas normas internacionais de relações diplomáticas".

    O Kosovo proclamou unilateralmente a independência da Sérvia em 2008 e é reconhecido por mais de 100 Estados membros da ONU. A Sérvia, bem como a Rússia, China, Israel, Irã, Espanha, Grécia e alguns outros países ainda não reconheceram a independência do Kosovo.

    Mais:

    Funcionário russo da missão da ONU foi agredido e detido pelas forças especiais do Kosovo
    Exército da Sérvia está em alerta: forças do Kosovo entram em assentamentos sérvios (VÍDEOS)
    Tags:
    agressão, ONU, Kosovo, Sérvia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar