16:09 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira da Rússia na Embaixada russa em Washington, DC.

    Rússia responderá às novas sanções dos EUA

    © AFP 2019 / Mario TAMA
    Rússia
    URL curta
    15231
    Nos siga no

    A Rússia vai adotar medidas para responder às novas sanções dos EUA, informou a embaixada russa em Washington.

    Mais cedo, o Departamento do Tesouro adotou sanções contra um organização das forças de segurança da Chechênia, as Forças Especiais de Resposta Rápida Terek, e contra o seu comandante, AbuZayd Vismuradov, bem como contra quatro indivíduos de nacionalidade russa: Ruslan Geremeyev, Elena Trikulia, Gennadi Karlov e Sergei Kossiev.

    "Essas medidas serão seguidas por medidas recíprocas", informou a embaixada.

    Ao mesmo tempo, a missão diplomática acrescentou que a confrontação não é a escolha da Rússia.

    "Procuramos cooperar com os EUA no longo prazo, estamos prontos para fazê-lo, e acredito que é a escolha certa", informou a missão diplomática por nota.

    A embaixada classificou as novas sanções de "uma tentativa de medidas coercitivas unilaterais que contradizem a lei internacional".

    "Essas decisões não construtivas contradizem claramente a atitude positiva das recentes conversações russo-americanas em Sochi", informou a embaixada.

    Esta semana, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, reuniu-se na cidade russa de Sochi com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o chanceler russo Sergey Lavrov.

    As partes concordaram em avançar o diálogo no sentido de promoção de interesses mútuos.

    Mais:

    Chefe alemão critica sanções contra Rússia: 'EUA agem como se Alemanha fosse sua colônia'
    Senadores dos EUA defendem sanções para empresas envolvidas no Nord Stream 2
    EUA removem todas as sanções contra militar que decidiu apoiar Guaidó
    Irã estuda criação de mecanismo com Rússia e Turquia para driblar sanções dos EUA
    Apesar das sanções, Rússia aumenta operações em rublos nas exportações para o BRICS
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar