10:10 17 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Tanque pesado soviético IS-2

    Tanque mais poderoso da II Guerra Mundial é reconstruído na Rússia (VÍDEO)

    © Sputnik / Pavel Lisitsyn
    Rússia
    URL curta
    7223

    Na Crimeia, especialistas militares da Frota do Mar Negro restauraram um tanque pesado soviético IS-2 que anteriormente fazia parte da exposição de um museu local, informa o portal Russkoe Oruzhie.

    Como indica o portal, mecânicos militares recuperaram capacidade de movimento de tanque pesado IS-2 de 46 toneladas, e o "veterano" vai tomar parte no Desfile da Vitória de 9 de maio nas cidades de Sevastopol ou Simferopol.

    Os mecânicos da Frota do Mar Negro já tinham mostrados sua maestria no ano passado quando restauraram um tanque T-34-85. Agora ambos os veículos estão passando por testes em um polígono. Um dos tanquistas compartilhou que dirigir um IS-2 é mais difícil do que um T-72 mais moderno, mas é possível uma pessoa se acostumar.

    O portal lembra que os tanques IS-2 desempenharam um papel importante na derrota da Alemanha de Hitler na fase final da Segunda Guerra Mundial. Os IS-2 estavam bem protegidos e eram indispensáveis no assalto a cidades. Nem mesmo os famosos canhões de 88 milímetros alemães não conseguiam perfurar a blindagem frontal do IS-2.

    Por outro lado, a munição do canhão de 120 mm do IS-2 penetrava nos tanques Tiger e Panther. Tendo em conta a capacidade de manobra e poder de fogo, não é surpreendente que o tanque IS-2 seja reconhecido como um dos tanques mais formidáveis da Segunda Guerra Mundial.

    Mais:

    Blindado soviético de modernização rara é avistado na Líbia (VÍDEO)
    Oficial soviético escapado de campo de concentração nazista revela detalhes de sua fuga
    Projeto de tanque soviético ultrassecreto revela disparo de mísseis nucleares a 13 km
    Conheça história do piloto soviético que derrubou caça iraniano em 1973 pagando com a vida
    Tags:
    restauração, tanque, Segunda Guerra Mundial, Crimeia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar