17:21 19 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Estudante russa Maria Butina, presa nos Estados Unidos por suspeitas de espionagem

    Butina concorda em ser deportada para Rússia e não entrar nos EUA por 10 anos

    Facebook / Maria Butina
    Rússia
    URL curta
    13202

    Promotores federais dos EUA recomendaram que a cidadã russa Maria Butina, que foi presa no ano passado em Washington, seja imediatamente deportada para seu país de origem após ser sentenciada.

    Promotores federais norte-americano do Distrito de Columbia entraram com uma Notificação de Intenção de Solicitação de Remoção Judicial na quinta-feira.

    Notando que Butina é "uma nativa da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas e cidadã da Federação Russa", os promotores pediram que "a Corte, no momento da sentença, ordenasse que a réu fosse retirada dos Estados Unidos para Rússia". 

    Em uma declaração correspondente, Butina concordou com a remoção judicial e em não entrar nos Estados Unidos por 10 anos sem prévia autorização do governo norte-americano.

    Butina foi presa em Washington em meados de julho sob suspeita de atuar como espiã russa. Inicialmente, ela se declarou inocente, mas concordou com um acordo judicial em novembro em que ela se declarou culpada de uma acusação de conspiração em troca de uma sentença mais leve, que ainda pode levar até cinco anos de prisão.

    Autoridades russas criticaram o governo dos EUA pela prisão de Butina, insistindo que as acusações contra ela são infundadas. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia chamou a detenção de Butina de inaceitável.


    Mais:

    Diplomatas russos visitam Maria Butina e voltam exigir tratamento humano à prisioneira
    Embaixada da Rússia diz ter exigido 'tratamento humano' na prisão para Maria Butina
    Meses de tortura fizeram Butina se declarar culpada para voltar à Rússia, diz Lavrov
    Butina se declara culpada em processo que foi acusada de atuar como agente estrangeira
    Tags:
    armas, deportação, espiã, Maria Butina, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar