18:09 19 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Prime Minister Dmitry Medvedev presents the 2017 Government performance report at the State Duma

    Primeiro-ministro russo lamenta saída dos EUA do Tratado INF

    © Sputnik / Dmitri Astakhov
    Rússia
    URL curta
    260

    O primeiro-ministro russo, Dmitry Medvedev, classificou a saída dos EUA do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) como um triste acontecimento.

    “Este é um evento triste, mas isso não significa que precisamos parar de se comunicar. Mas isso merece a máxima condenação. Não pode se comportar dessa maneira”, disse Medvedev em uma entrevista coletiva.

    Segundo ele, “assim, como resultado da recusa unilateral dos Estados Unidos, de fato, o regime de segurança internacional ficou ainda mais minado, ninguém deveria levantar dúvidas”.

    Desde 2 de fevereiro, os EUA suspenderam suas obrigações quanto ao INF, assinado em 1987 com a então União Soviética, que não tem data de expiração e proíbe as partes de terem mísseis balísticos terrestres ou mísseis de cruzeiro com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.

    O presidente russo, Vladimir Putin, declarou em 2 de fevereiro que a Rússia irá espelhar a decisão dos EUA e também vai suspender a participação do Tratado. Ele observou que a Rússia não deve e não será arrastada para uma corrida armamentista onerosa. Ao mesmo tempo, Putin acrescentou que todas as propostas da Rússia sobre desarmamento "permanecem sobre a mesa e as portas estão abertas", mas exigiu que não se iniciasse nenhuma negociação sobre o assunto.

    Mais:

    Ex-inspetor de armas da ONU: Europa é tão culpada quanto EUA pelo declínio do Tratado INF
    Putin assina decreto sobre suspensão do Tratado INF pela Rússia
    Saída dos EUA do Tratado INF pode abrir 'Caixa de Pandora', avisa especialista
    Saída americana do Tratado INF ameaça estabilidade global, avisa chancelaria russa
    Tags:
    Tratado INF, INF, Dmitry Medvedev, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar