19:22 18 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Marcha autorizada relembra morte do opositor russo Boris Nemtsov em Moscou.

    Cerca de 6 mil marcham em Moscou em memória de opositor russo assassinado em 2015

    © Sputnik / Alexey Kudenko
    Rússia
    URL curta
    1039

    Cerca de 6 mil pessoas participaram neste domingo de uma passeata autorizada em memória do opositor russo Boris Nemtsov, no centro de Moscou, informou a Direção Geral do Ministério do Interior russo.

    O pedido de autorização para a marcha foi protocolado ainda no início de fevereiro.

    A marcha passou pelas avenidas Strastnoy, Petrovsky, Rozhdestvensky e Sretensky até a Sakharov. O grupo foi conduzido por líderes partidários e organizações políticas, com segurança realizada pela Guarda Nacional Russa.

    ​A marcha em memória de Nemtsov foi conduzida sem violações e ninguém foi detido, disse uma porta-voz do Departamento de Segurança Regional e Anticorrupção de Moscou, Elena Romanova, à Sputnik.

    ​Nemtsov ocupou vários altos cargos no governo russo nos anos 90 e tornou-se uma importante figura da oposição nos anos 2000. Aguerrido opositor do presidente Vladimir Putin, ele foi preso em 2007, 2010 e 2011 acusado de conduzir protestos sem autorização.

    Em 27 de fevereiro de 2015, a dois dias de participar de um protesto contra a guerra na Ucrânia, Nemtsov foi morto a tiros a poucos metros do Kremlin enquanto caminhava com a parceira, Anna Duritskaya.

    Cinco russos da Chechênia foram acusados de participação no assassinato. O atirador seria um ex-oficial da força de segurança do líder checheno Ramzan Kadyrov. Os acusados receberam penas de prisão que variam entre 11 e 20 anos.

    Tags:
    Guarda Nacional Russa, Departamento de Segurança Regional e Anticorrupção de Moscou, Kremlin, Anna Duritskaya, Elena Romanova, Ramzan Kadyrov, Boris Nemtsov, Vladimir Putin, Avenida Sretensky, Avenida Rozhdestvensky, Avenida Petrovsky, Avenida Strastnoy, Chechênia, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar