05:23 20 Abril 2019
Ouvir Rádio
    O navio quebra-gelo finlandês MSV Nordica navega através do gelo flutuando no mar de Chukchi, na costa do Alasca.

    Lavrov: 'Rússia quer entender o que a OTAN busca no Ártico'

    © AP Photo / David Goldman
    Rússia
    URL curta
    1262

    A Rússia observa o aumento de forças armadas da OTAN no Ártico e quer descobrir o que a aliança pretende obter na região, disse o ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, neste sábado.

    "Notamos o aumento das atividades dos membros da OTAN. Nós discutimos isso com nossos vizinhos noruegueses. Queremos entender que tipo de mandato a OTAN terá no Ártico", disse Lavrov na Conferência de Segurança de Munique.

    Ele criticou a retórica de algumas autoridades ocidentais e foi irônico ao se referir ao ministro da Defesa britânico.

    "Se você ouvir algumas pessoas como o ministro da Guerra, oh, desculpe, ministro da defesa do Reino Unido, [Gavin Williamson], então você pode ter a impressão de que ninguém, exceto a OTAN, tem o direito de estar em qualquer lugar exceto suas próprias fronteiras", Lavrov pontuou.

    Nova base russa Trifólio Ártico
    © Foto : Ministério da Defesa da Rússia
    A Rússia, por sua vez, propôs uma série de projetos ao Conselho do Ártico, um fórum intergovernamental para os países que bordeiam a região. "Não acreditamos que a cooperação do Ártico requer alguma dimensão militar, e espero que este seja o caso de nossos parceiros também", acrescentou o ministro russo.

    O Reino Unido expressou repetidamente preocupações sobre a suposta crescente presença militar da Rússia na região ártica e a suposta tentativa de militarizá-la. Londres também disse temer que a navegação no Ártico poderia ser limitada em decorrência das disputas.

    Moscou tem consistentemente rejeitado as alegações, observando que considera o Ártico uma área de cooperação igualitária e livre de conflitos de interesse nacionais.

    Em agosto, Vladimir Barbin, embaixador russo e alto funcionário do Ártico, apontou para o avanço militar da OTAN na região, citando os exercícios Trident Junction 18, a decisão da aliança de estabelecer o novo Comando Conjunto da Força para o Atlântico e os esforços de Washington para restabelecer sua Segunda Frota operando principalmente no Atlântico Norte.

    Tags:
    Trident Junction 18, Comando Conjunto da Força para o Atlântico, Conselho do Ártico, OTAN, Vladimir Barbin, Gavin Williamson, Londres, Reino Unido, Rússia, Moscou
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar