04:59 31 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    8162
    Nos siga no

    O embaixador russo nos Estados Unidos, Anatoly Antonov, disse neste sábado à Sputnik que os Estados Unidos devem se concentrar em construir relações com outros países com base no respeito mútuo, em vez de apresentar ultimatos.

    "Se forem estabelecidas condições para o diálogo, seja em relação à situação em torno da Ucrânia ou outras preocupações, nada de bom virá disso. É hora de desistir dos ultimatos nas comunicações entre os Estados", afirmou

    De acordo com o diplomata, "a liderança dos EUA tem que decidir por si mesma se eles estão prontos falar em uma base igual e mutuamente respeitosa"

    "Eles estão prontos para um diálogo normal e pragmático? Eles estão prontos para entender e levar em conta os interesses nacionais russos? Somente com base nisso seria possível uma conversa frutífera", frisou Antonov.

    O embaixador observou também que os contatos entre Moscou e Washington são muito importantes para a comunidade internacional, "já que ambos os países servem como membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, enquanto seus esforços são cruciais para a luta contra o terrorismo e o tráfico de drogas".

    "Muitas questões na agenda internacional dependem do nível de nossa interação. É por isso que os contatos entre os líderes dos dois estados são tão importantes. Não importa quão difíceis sejam as relações entre a Rússia e os Estados Unidos, reuniões, conversas dos dois países. Os presidentes sempre têm um impacto positivo na situação global", completou.

    Mais:

    'Bola jogada entre China, EUA, Rússia': política alemã defende criação de exército europeu
    Corrida armamentista? EUA criam míssil hipersônico para competir com China e Rússia
    Apelos dos EUA para 'ofensiva' contra Rússia podem levar a guerra nuclear, diz senador
    Almirante da Marinha dos EUA apela para 'ofensiva' contra Rússia e China
    Tags:
    embaixador, relações, Moscou, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar