00:16 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    O presidente russo, Vladimir Putin, com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe

    Assessor de Putin: Reivindicações japonesas sobre as Curilas vão complicar negociações

    © Sputnik / Sergei Guneev
    Rússia
    URL curta
    491

    As declarações do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, sobre as reivindicações de Tóquio às ilhas Curilas vão complicar significativamente as próximas negociações com o presidente russo, Vladimir Putin, disse o assessor do líder russo Yury Ushakov neste domingo.

    "As declarações de Abe complicaram o processo de negociações, com certeza", disse Ushakov à emissora Rossiya.

    Putin e Abe devem falar sobre as negociações do tratado de paz durante a reunião de 22 de janeiro, quando o chefe do governo japonês fará uma visita de trabalho à Rússia.

    No início de janeiro, Moscou e Tóquio realizaram a primeira rodada de negociações relativas à assinatura de um tratado de paz permanente, que deve finalmente marcar o fim do estado de guerra entre os dois países. Abe disse que o Japão reivindicaria a soberania sobre as Curilas, mas não tinha a intenção de deportar cidadãos russos que vivem lá se as ilhas fossem de fato cedidas a Tóquio.

    Rússia e Japão não conseguiram chegar a um acordo de paz após o fim da Segunda Guerra Mundial, principalmente devido à disputa sobre as ilhas Curilas, agora governadas por Moscou, que as considera parte inalienável do território do país.

    Em 1956, Moscou e Tóquio assinaram uma Declaração Conjunta que previa o restabelecimento das relações bilaterais após a guerra e estipulavam que o Japão e a União Soviética continuariam a envidar esforços para assinar um tratado de paz permanente e resolver a disputa na ilha. A União Soviética também se comprometeu a considerar a entrega de duas das quatro ilhas disputadas — Habomai e Shikotan — para o Japão.

    Tags:
    Shinzo Abe, Vladimir Putin, União Soviética, Shikotan, Habomai, Curilas, Japão, Rússia, Tóquio, Moscou
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar