12:08 17 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu durante a reunião no Kremlin. 21 de abril, 2016

    Rússia faz piada sobre rumores de interferência nas próximas eleições de Israel

    © Sputnik / Sergei Guneev
    Rússia
    URL curta
    626

    Os meios de comunicação israelenses estão cheios de especulações de que a Rússia está se preparando para se intrometer na eleição parlamentar de abril para ajudar o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu a permanecer no poder. O Kremlin recomendou ignorar essas notícias.

    A especulação foi iniciada por Nadav Argaman, chefe da agência de segurança interna de Israel, a Shin Bet, que disse na segunda-feira que uma potência estrangeira está se preparando para interferir na rápida eleição parlamentar programada para abril. A advertência veio durante um evento organizado pelos Amigos da Universidade de Tel Aviv, mas a transmissão foi parcialmente redigida pelo censor militar israelense.

    "Não posso dizer neste momento para quem ou contra quem a intervenção será, mas envolve ataques cibernéticos e hackers", afirmou Argaman. Ele acrescentou que estava "100% [certo] de que [o Estado estrangeiro] intervirá nas próximas eleições, e eu sei do que estou falando, eu simplesmente não sei em favor de quem", acrescentou.

    O discurso foi assistido por uma grande multidão, o que faz o esforço de manter a identidade do país estrangeiro em segredo aparentemente sem sentido. A mídia israelense recorreu às acusações contra a Rússia na eleição de 2016, nos EUA, ou a um relatório das empresas de segurança israelenses sobre como a Rússia poderia interferir em Israel para preencher a lacuna.

    Alguns políticos israelenses foram mais próximos em apontar o dedo e também expressaram a certeza de quem eles esperavam que a interferência russa se beneficiasse.

    "Exigimos que os serviços de segurança se certifiquem de que [o presidente russo Vladimir] Putin não roube as eleições para seu amigo, o tirano Bibi", disse Tamar Zandberg, chefe do partido esquerdista de oposição Meretz, em um comunicado. "Bibi" é Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro de direita israelense, que está concorrendo para um quinto mandato enquanto enfrenta três investigações de corrupção separadas.

    O Kremlin respondeu às acusações na última quarta-feira, reiterando que não estava no negócio de interferir nas eleições de outras nações. "Não leia a mídia israelense", brincou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, parafraseando uma famosa citação de Mikhail Bulgakov, que sugeriu o mesmo sobre os jornais soviéticos.

    "A Rússia nunca interferiu, não está interferindo e não pretende interferir em uma eleição em qualquer nação do mundo", complementou Peskov.

    Netanyahu também comentou sobre o desdobramento do escândalo, assegurando ao público que o país está preparado para se defender contra qualquer ataque cibernético nas próximas eleições. Uma declaração similar veio da Shin Bet depois que seu chefe fez as declarações.

    O governo de Netanyahu decidiu pedir uma eleição antecipada no final de dezembro, afirmando que isso era necessário devido a um debate sobre o recrutamento de judeus ortodoxos entre os membros da coalizão governante.

    O anúncio veio depois que Netanyahu perdeu o apoio do ex-ministro da Defesa, Avigdor Liberman, e seu partido de direita Yisrael Beiteinu. Isto deixou a coalizão dominante com uma maioria de 61 cadeiras na legislatura de 120 assentos. A eleição será realizada em 9 de abril, cerca de oito meses antes do exigido por lei.

    Mais:

    Corrupção: Netanyahu descarta renunciar mesmo se indiciado pela Justiça israelense
    Netanyahu quer aproveitar eleições para intensificar a 'limpeza étnica', acusa OLP
    Netanyahu quer distrair o público da corrupção com eleição antecipada, dizem analistas
    Tags:
    judeus, direita, política, eleições, interferência russa, Kremlin, Shin Bet, Tamar Zandberg, Nadav Argaman, Benjamin Netanyahu, Dmitry Peskov, Israel, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik