17:57 15 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    O primeiro aperto de mão entre os presidentes Trump e Putin

    Putin volta a dizer que a Rússia está 'aberta ao diálogo' com os EUA

    © REUTERS . Steffen Kuggler/Governo Federal da Alemanha
    Rússia
    URL curta
    752
    Nos siga no

    O presidente da Rússia, Vladimir Putin, assegurou ao seu colega norte-americano, Donald Trump, que Moscou continua "aberta ao diálogo", apesar do ano terminar sem o esperado aquecimento das relações, declarou o Kremlin neste domingo.

    "As relações russo-americanas continuam sendo um fator importante para garantir a estabilidade estratégica e a segurança internacional", informou a Presidência russa em um comunicado de Ano Novo.

    Putin "confirmou que a Rússia está aberta ao diálogo com os Estados Unidos sobre o número máximo de temas", acrescentou o comunicado.

    Em dezembro de 2017, Putin disse que esperava "normalizar" as relações com Donald Trump, mas as chances disso se evaporaram com múltiplas investigações da suposta intromissão de Moscou na política dos EUA.

    Washington neste ano anunciou dramaticamente sua intenção de abandonar um importante acordo de armas nucleares da época da Guerra Fria — o Tratado das Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) — ao qual Putin respondeu que Moscou desenvolveria novos mísseis.

    Putin também enviou mensagens a outros chefes de Estado, incluindo a britânica Theresa May e o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

    Em sua mensagem a maio, Putin desejou ao povo britânico "bem-estar e prosperidade" em 2019. Em 2018, as relações entre Londres e Moscou foram seriamente prejudicadas pelo envenenamento do ex-agente duplo Sergei Skripal e sua filha Yulia em solo britânico. A Grã-Bretanha apontou o dedo para a Rússia, mas Moscou negou qualquer envolvimento.

    Dirigindo-se ao presidente Erdogan, Putin sublinhou a "direção promissora" das relações entre Moscou e Ancara após a conclusão da fase offshore do gasoduto TurkStream sob o mar Negro e o início do trabalho na primeira usina nuclear da Turquia, que está sendo construída até Rússia.

    "O chefe de Estado russo confirmou que as forças conjuntas de Moscou e Ancara tomarão uma decisão final sobre a luta contra o terrorismo na Síria e a continuação do processo de regulamentação política", pontuou o Kremlin.

    Após o anúncio surpresa da retirada das forças dos EUA da Síria, a Rússia e a Turquia concordaram no sábado em "coordenar" suas ações no terreno, incluindo o retorno de refugiados e a criação de uma zona desmilitarizada em Idlib, o último bastião de rebeldes no país.

    Mais:

    Putin estuda ida ao Fórum Econômico em Davos e pode encontrar Trump e Bolsonaro
    Após alerta de Putin, pesquisador comenta: tensão internacional traz ameaça nuclear
    Putin: novas armas russas farão pensar aqueles que se acostumaram à retórica agressiva
    Tags:
    Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), relações bilaterais, diplomacia, Guerra Fria, Yulia Skripal, Sergei Skripal, Recep Tayyip Erdogan, Theresa May, Vladimir Putin, Donald Trump, Turquia, Reino Unido, Estados Unidos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar