11:54 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Motores do bombardeiro estratégico russo Tu-160

    Bombardeiros estratégicos russos Tu-160 retornam à base após exercícios na Venezuela

    © Sputnik / Iliya Pitalev
    Rússia
    URL curta
    4120
    Nos siga no

    Bombardeiros estratégicos russos Tu-160 retornaram à sua base aérea após realizar voos na Venezuela. A informação foi divulgada pelo Ministério da Defesa da Rússia.

    "Os bombardeiros estratégicos Tu-160 retornaram à sua base aérea doméstica na Rússia depois de realizar uma visita internacional à República Bolivariana da Venezuela", informou o serviço de imprensa do Ministério da Defesa em um comunicado.

    As aeronaves voaram da Venezuela sobre os mares do Oceano Atlântico, Caribe, e Noruega. Eles percorreram mais de 12.000 quilômetros e realizaram reabastecimento aéreo durante o vôo.

    Os jatos F-16 da Força Aérea Norueguesa acompanharam a aeronave russa por algum tempo durante o voo.

    As forças armadas russas afirmaram que o voo dos bombardeiros estratégicos Tu-160 havia sido realizado de acordo com as regulamentações internacionais.

    O envio de bombardeiros estratégicos Tu-160 de Rússia à Venezuela gerou críticas por parte do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo. Segundo ele, esta ação seria um desperdício de recursos públicos.

    O comandante da Aviação de Longo Alcance, tenente-general Sergei Kobilash, por sua vez, declarou que os aviões russos chegaram à Venezuela a convite das autoridades do país bolivariano, adicionando que atualmente as forças venezuelanas realizam treinamentos para aprender a operar a aviação estratégica.

    Mais:

    Bombardeiros russos Tu-160 preparam-se para deixar Venezuela e voltar à Rússia
    Defesa colombiana: país não se deixará provocar pela Venezuela com apoio da Rússia
    Rússia e Venezuela já investem em cooperação até 2025
    Rússia continuará ajudando Venezuela, diz Kremlin
    Tags:
    exercício, bombardeiro estratégico, Tu-160, Venezuela, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar