09:19 14 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Ato em apoio do jornalista Kirill Vyshinsky perto da embaixada da Ucrânia em Moscou

    Em prol da liberdade: ação contra prisão do jornalista russo Vyshinsky decorre em Moscou

    © Sputnik / Ilia Pitalev
    Rússia
    URL curta
    110

    O tribunal ucraniano de Kherson prorrogou ontem (1º) a prisão do chefe do portal RIA Novosti Ucrânia, Kirill Vyshinsky, até 28 de dezembro. Uma ação de solidariedade com o jornalista preso há quase meio ano decorreu nesta sexta-feira (2) perto da embaixada da Ucrânia em Moscou.

    A manifestação contou com a participação de cerca de 100 pessoas — jornalistas, deputados, ativistas de direitos humanos e colegas de Kirill Vyshinsky, incluindo o diretor-geral da agência Rossiya Segodnya, Dmitry Kiselev, e a editora-chefe da Sputnik e do RT, Margarita Simonyan.

    Ato em apoio do jornalista Kirill Vyshinsky perto da embaixada da Ucrânia em Moscou
    © Sputnik / Ramil Sitdikov
    Ato em apoio do jornalista Kirill Vyshinsky perto da embaixada da Ucrânia em Moscou

    Os participantes da ação entoaram "Liberdade a Kirill Vyshinky", segurando cartazes com o mesmo lema e carretéis de linha branca simbolizando que o caso do jornalista foi falsificado de forma pouco hábil. Ninguém da embaixada ucraniana saiu para falar com os manifestantes.

    A manifestação foi organizada por ocasião do Dia Internacional para Acabar com a Impunidade por Crimes contra Jornalistas, que se celebra em 2 de novembro. A data foi estabelecida em 2013 por resolução da Assembleia Geral da ONU em homenagem a dois jornalistas franceses assassinados em Mali. O documento condena quaisquer ataques e atos de violência em relação a jornalistas e funcionários da mídia.

    Participante da ação com carretel de linha branca e adesivo com imagem de Kirill Vyshincky
    © Sputnik / Ramil Sitdikov
    Participante da ação com carretel de linha branca e adesivo com imagem de Kirill Vyshincky

    Caso Vyshinky

    O chefe do portal RIA Novosti Ucrânia foi detido em Kiev no dia 15 de maio deste ano, acusado de apoiar as autoproclamadas República Popular de Donetsk (RPD) e República Popular de Lugansk (RPL). O jornalista pode ser condenado a 15 anos de prisão.

    Em 17 de maio, o tribunal de Kherson autorizou a prisão do jornalista. Sua defesa apresentou apelação, mas esta foi recusada pelo tribunal. Durante uma audiência, Vyshinsky pediu ajuda ao presidente russo Vladimir Putin e também disse que abandonaria a cidadania ucraniana.

    Vladimir Putin se referiu à prisão de Vyshinsky como sendo algo sem precedentes, tendo Moscou enviado uma nota de protesto a Kiev exigindo o fim da violência contra jornalistas.

    Mais:

    150 dias de prisão: jornalistas organizam ação em apoio ao colega russo detido na Ucrânia
    Tribunal ucraniano amplia prisão do jornalista russo até 28 de dezembro
    Tags:
    jornalista, ação, apoio, prisão, Kirill Vyshinsky, Margarita Simonyan, Dmitry Kiselev, Moscou, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik