13:40 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Prédio do governo de Moscou pegou fogo quando as tropas do governo o atacaram, em outubro de 1993

    'Outubro Negro': crise constitucional que colocou Rússia à beira da guerra civil em 1993

    © Sputnik / Vitaliy Saveliev
    Rússia
    URL curta
    236

    A crise constitucional, que ficou conhecida como “Outubro Negro” e ocorrida na Rússia no final de setembro e início de outubro de 1993, aconteceu como a continuação do impasse político entre representantes da época.

    O problema se desenvolveu entre o primeiro presidente da Federação da Rússia, Boris Yeltsin, e os opositores antirreformistas liderados pelo vice-presidente Aleksandr Rutskoy e pelo presidente do Presidium do Soviete Supremo, Ruslan Khasbulatov.

    No final de setembro, após desentendimentos políticos, Yeltsin tentou dissolver o Parlamento, tendo este declarado tal ação como ilegal, demitido o então presidente e proclamando Rutskoy como líder interino.

    O conflito evoluiu em outubro para confrontos armados no centro de Moscou, atingindo seu clímax com os ataques contra a prefeitura e o posicionamento de equipamentos militares, assim como bombardeios à Casa Branca, resultando na morte de cerca de 160 pessoas e provocando centenas de feridos.

    Ponto fraco do tribunal

    O chefe da administração do presidente Yeltsin entre 1993 a 1996, Sergei Filatov, destacou durante entrevista concedida à Sputnik que os eventos tiveram sua origem muito antes da data referida.

    "O Soviete Supremo queria remover as figuras-chave do poder, fazer com que as reformas passassem sob seu controle, o que, é claro, era impossível, já que Yeltsin foi eleito em 1991 para fortalecer o poder executivo e acelerar as reformas. Tudo estava sendo feito para este fim, e entregar tudo à outra força era terrivelmente perigoso", disse.

    Filatov também lamenta que uma reeleição do parlamento não tivesse sido possível logo após o referendo histórico de abril, apelidado de "Sim. Sim. Não. Sim", alegando que seria melhor se ela tivesse acontecido.

    "Mas o Tribunal Constitucional interferiu — basicamente ele se apressou a colocar uma rasteira quando anunciou que os resultados do referendo não tinham força legal, e eles só poderiam ser considerados como uma pesquisa de opinião", contou.

    Segundo explicou o ex-chefe da administração do primeiro presidente, a dissolução do parlamento após o referendo teria acontecido tranquilamente e não teria aumentado a tensão no país, e que por esta razão os responsáveis pelos eventos foram os membros do Tribunal Constitucional.

    Tanques eram necessários?

    Além disso, ele acredita que foi desnecessário o posicionamento de tanques perto da Casa Branca, onde estavam os deputados insurgentes do Soviete Supremo.

    "Temíamos que houvesse muitas pessoas ao redor da Casa Branca, que elas viessem protegê-la, mas todas elas foram embora e, no momento do bombardeio, não havia quase ninguém, apenas deputados e bandidos paramilitares […] Certamente, isso era perigoso, mas não o suficiente para enviar tanques e disparar tiros de intimidação", enfatizou.

    Enquanto Aleksander Korzhakov, que liderou o serviço de segurança do presidente há 25 anos, considera que o uso de tanques foi essencial para poderem dar uma "resposta adequada" aos opositores antirreformistas.

    "A situação na época era a mais grave, aqueles que passaram por isso sabem como foi […] Quando eles atacaram Ostankino [canal de televisão local], morreram 140 pessoas, a maioria pessoas inocentes, e no dia seguinte mais 10 pessoas foram mortas perto da Casa Branca", disse Korzhakov.

    O jornalista Nikolai Svanidze, que cobria os acontecimentos desse outono, revelou que Yeltsin não teve escolha a não ser emitir o Decreto nº 1400 (sobre a reforma constitucional por etapas na Rússia), a fim de evitar uma guerra civil.

    Anistia em vez de julgamento

    Partidários de Yeltsin, que participaram dos eventos de 1993, confessaram que lamentavam que os principais instigadores, que apelavam a uma solução militar para o conflito e ao golpe, não fossem a julgamento e que tivessem sido anistiados.

    "Se você reconsiderar esses eventos, você não tem que condenar todos eles. Mas eu condeno três deles — Aleksander Rutskoy, Ruslan Khasbulatov e Albert Makashov, que deveriam ter sido julgados: a morte das pessoas estão em suas consciências", salientou Korzhakov.

    Mais:

    Rússia agradece a China por manter memoriais da União Soviética
    Trump poderia ter sido 'recrutado' na União Soviética, escreve mídia
    Rússia recorda início da invasão nazista da União Soviética
    Rússia destruiu todas as armas químicas da União Soviética, diz ministro
    Tags:
    reforma administrativa, tanques, política, impasse, guerra civil, outubro, constitucional, crise, Soviete Supremo, Boris Yeltsin, Moscou, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik