01:33 17 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Vista do Kremlin e Ministério das Relações Exteriores da Rússia

    Rússia diz que declaração de Theresa May sobre caso Skripal é 'inaceitável'

    © Sputnik / Yevgeny Biyatov
    Rússia
    URL curta
    14182

    O Ministério das Relações Exteriores da Rússia afirmou que a declaração da primeira-ministra britânica, Theresa May, sobre caso Skripal é "inaceitável".

    De acordo com o Ministério das Relações Exteriores da Rússia, as tentativas de Londres de "manipular" as disposições da convenção sobre armas químicas não têm futuro.

    A declaração da chancelaria russa surge após a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, ter dito no início do dia que o governo britânico concluiu que os dois indivíduos acusados do envenenamento do caso Skripal eram oficiais do serviço de inteligência militar russo.

    Anteriormente, procuradores do Reino Unido nomearam dois cidadãos russos, Aleksandr Petrov e Ruslan Boshirov, como suspeitos de terem envenenado o ex-espião russo, Sergei Skripal, e sua filha Yulia.

    Os cidadãos russos foram acusados de cometerem quatro crimes, inclusive tentativa de assassinato de Skripal e de um agente federal britânico.

    Na cidade britânica de Salisbury, no dia 4 de março, de acordo com Londres, foram envenenados o ex-espião russo, Sergei Skripal, e sua filha Yulia, o que provocou um escândalo internacional. As autoridades do Reino responsabilizam o governo russo de envolvimento no envenenamento, enquanto Moscou vem desmentindo todas as acusações, qualificando-as infundadas.

    Mais:

    Premiê britânica: 2 acusados de envenenar Skripal são oficiais da inteligência russa
    Procuradores britânicos nomeiam 2 russos suspeitos de terem envenenado ex-espião Skripal
    Novas sanções dos EUA contra Moscou por caso Skripal são ilegítimas, diz embaixada russa
    Novas sanções dos EUA contra a Rússia por causa do ex-espião Skripal entram em vigor
    Tags:
    envenenamento, Theresa May, Sergei Skripal, Reino Unido, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik