14:07 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Departamento do Estado dos EUA

    Novas sanções dos EUA contra a Rússia por causa do ex-espião Skripal entram em vigor

    © AP Photo / Luis M. Alvarez
    Rússia
    URL curta
    14210

    As sanções dos EUA contra a Rússia, anunciadas anteriormente em conexão com a acusação de alegado uso de armas químicas por Moscou, entraram em vigor nesta segunda-feira (27) às 7h na Rússia (1h do mesmo dia em Brasília).

    A descrição das sanções foi incluída nesta sexta-feira (24), por ordem do Departamento de Estado, no Registro Federal e publicada oficialmente no fim de semana. 

    "O Departamento de Estado estabeleceu que a Federação da Rússia utilizou armas químicas, violando assim o direito internacional […] contra os seus próprios cidadãos", lê-se no documento. 

    As sanções determinam a cessação de qualquer assistência norte-americana à Rússia de acordo com a lei de assistência internacional de 1961, "além da assistência humanitária urgente, produtos alimentícios e outros produtos agrícolas". 

    O Departamento de Estado deixará de conceder licenças para a exportação para a Rússia de armas norte-americanas e artigos de destinação dupla (militar e civil), exceto as exportações necessárias para a colaboração no espaço e lançamento de satélites comerciais, além dos bens indispensáveis para garantir a segurança dos voos da aviação civil.

    Passará a ser proibido conceder à Rússia "quaisquer créditos, garantias de crédito e outro apoio financeiro" por parte de qualquer entidade dos EUA.

    Em novembro pode ser introduzida outra rodada das sanções, ainda mais severa. Neste caso, as restrições poderão abranger a concessão de créditos a pessoas jurídicas russas, bem como as exportações e importações.

    As autoridades norte-americanas utilizaram como pretexto das sanções o suposto uso pela Rússia de armas químicas na cidade britânica de Salisbury, onde no dia 4 de março deste ano o ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha Yulia foram encontrados com sinais de envenenamento. Londres responsabilizou o governo russo pelo incidente. Por sua vez, Moscou vem negando todas as acusações, qualificando-as como totalmente infundadas. 

    Mais:

    Irã espera que UE seja capaz de garantir exportações de petróleo após sanções dos EUA
    Congressistas americanos pedem a Trump que aplique sanções a autoridades nicaraguenses
    Gigante suíço congela US$ 5 bilhões em dinheiro russo por 'medo' das sanções dos EUA
    Tags:
    restrições, sanções, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik