05:14 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    As forças da OTAN na Letônia

    OTAN diz que suas forças defensivas não se comparam às instalações russas

    © REUTERS / Ints Kalnins
    Rússia
    URL curta
    595
    Nos siga no

    A OTAN refutou na quarta-feira a sugestão do presidente russo, Vladimir Putin, de que as forças da aliança na Europa Oriental representam uma ameaça à Rússia, afirmando elas não são páreo para os desenvolvimentos de Moscou na região.

    "As ações da OTAN são defensivas, proporcionais e totalmente alinhadas com nossos compromissos internacionais", disse a porta-voz da aliança, Oana Lungescu, em declaração à agência Reuters.

    "A OTAN enviou 4.000 soldados para a parte leste da Aliança, para impedir qualquer possível agressão. Essas tropas não podem se comparar às divisões implantadas pela Rússia. Em contraste, a Rússia tem tropas na Ucrânia, Geórgia e Moldávia, contra a vontade de seus governos", afirmou.

    A OTAN tem afirmado reiteradamente que a Rússia representa como principal ameaça à segurança transatlântica. 

    A Rússia, por sua vez, vem denunciando durante os últimos anos a atividade sem precedentes da OTAN perto de suas fronteiras ocidentais. Moscou mais de uma vez mostrou sua preocupação com o aumento das forças da Aliança na Europa. 

    O porta-voz do presidente da Rússia, Dmitry Peskov, declarou anteriormente que a Rússia não representa ameaça para ninguém, mas não desconsiderará ações em situações potencialmente perigosas para seus interesses.

    Mais:

    Kiev deve pedir apoio naval da OTAN em meio às tensões com Rússia
    OTAN chama Rússia de principal ameaça à segurança
    Analista: erro da OTAN no céu estoniano pode ser transformado em 'culpa da Rússia'
    'OTAN busca impedir que Rússia seja concorrente geopolítico', diz ministro da Defesa
    Especialista militar: Rússia está monitorando navios da OTAN no mar Negro
    Tags:
    ameaça, segurança, OTAN, Geórgia, Ucrânia, Europa Oriental, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar