22:11 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeiras da Rússia e dos EUA

    Embaixada da Rússia critica novas sanções dos EUA por envenenamento dos Skripal

    © REUTERS / Maxim Shemetov
    Rússia
    URL curta
    1017

    Embaixada da Rússia para os Estados Unidos criticou o recém-anunciado lote de sanções do Departamento de Estado dos EUA contra Moscou.

    A Embaixada da Rússia nos Estados Unidos disse que Washington não apresentou provas do papel de Moscou em envenenamento de Salisbury sob as alegações de que as informações sobre o incidente são confidenciais.

    A Embaixada também observou que a Rússia havia afirmado ao Departamento de Estado dos EUA que continuava a "defender fortemente uma investigação aberta e transparente" no caso de Salisbury. O corpo diplomático classificou ainda que sanções recém-anunciadas eram "draconianas".

    A missão acusou os Estados Unidos de um estilo de "linha de montagem" ao impor sanções não substanciadas à Rússia e se recusar a se comunicar.

    Mais cedo, o Departamento de Estado dos EUA anunciou em um comunicado de imprensa novas sanções contra a Rússia com base nas alegações de uso de armas químicas por Moscou contra o ex-oficial de inteligência russo Sergei Skripal e sua filha Yulia no Reino Unido e exigiu que Moscou permitisse a internacionalização de inspeções no local.

    Uma autoridade do Departamento de Estado disse em uma teleconferência com repórteres que a primeira leva de sanções entrará em vigor em 22 de agosto e proibirá a exportação de material sensível à segurança nacional para a Rússia.

    A porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, disse que Washington determinou que o governo russo usou "armas químicas ou biológicas" contra seus próprios cidadãos, violando as leis internacionais.

    Tags:
    Embaixada da Rússia nos Estados Unidos, Departamento de Estado dos EUA, Yulia Skripal, Sergei Skripal, Heather Nauert, Salisbury, Estados Unidos, Reino Unido, Moscou, Washington, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik